Chávez traiu as Farc para proteger governo, revela WikiLeaks

Segundo email da empresa Stratfor, líder venezuelano foi pressionado por militares para negociar extradição de traficante

iG São Paulo |

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, traiu em 2011 as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), para moderar o nervosismo de generais da Força Armada Nacional Bolivariana após a captura na Colômbia do traficante Walid Makled , segundo e-mails divulgados pelo WikiLeaks e analisados pelo jornal de Miami El Nuevo Herald.

Acordo: Colômbia extradita para a Venezuela traficante procurado pelos EUA

O jornal afirma que, segundo as mensagens de membros da agência Stratfor , altos oficiais das Forças Armadas pressionaram Chávez para que negociasse com o governo de Juan Manuel Santos a extradição de Makled a Caracas, perante a tentativa dos Estados Unidos de julgá-lo em seu território.

AP
Presidente Hugo Chávez sorrindo durante discurso televisionado. Atrás, retrato do poeta José Marti (E) e do herói da independência Simon Bolívar (4/3)
Como parte a pressão, Chávez ofereceu sacrificar as Farc com a entrega e a expulsão de líderes da guerrilha, segundo os e-mails que fazem parte dos 5 milhões da companhia de inteligência Stratfor, divulgados recentemente pelo site de Julian Assange.

Makled foi capturado na Colômbia e extraditado em maio de 2011 a Caracas, apesar de o empresário venezuelano também enfrentar uma solicitação de extradição de Washington por narcotráfico. O detido havia dito em várias ocasiões que estava disposto a colaborar com os EUA para evitar a extradição a seu país.

Acusações

Após sua prisão, Makled disse que vários altos funcionários de Chávez recebiam dinheiro dele, incluindo altos oficiais das Forças Armadas, e acusou o Exército venezuelano de estar diretamente envolvido no transporte de droga.

Segundo relata o jornal citando as mensagens de Stratfor, esses altos oficiais temiam ser julgados nos EUA se Makled fosse enviado a Washington, onde poderia negociar seu depoimento em troca da redução de sua sentença. "Altos membros do governo poderiam estar traçando planos de contingência para proteger seus ativos e a eles mesmos", acrescentam os relatórios, afirmando inclusive que Chávez temia um golpe de Estado.

Esses funcionários temiam que Makled tivesse em seu poder "valiosas gravações de transações incriminando altos integrantes do governo venezuelano com operações de lavagem de dinheiro, narcotráfico, e talvez terrorismo".

Também achavam que ele poderia dar informações detalhadas sobre a conexão entre entidades do Estado com o narcotráfico, a relação da Venezuela com o Irã, e em particular a presença no país - com "autorização de Chávez" - da Guarda Revolucionária e da Força Qods, segundo o jornal.

"Quando Stratfor começou a receber informações de que os militares venezuelanos haviam começado a desmantelar silenciosamente os acampamentos das Farc empurrando seus membros à Colômbia através da fronteira, era evidente que Bogotá estava em posse de algo que colocaria Chávez na linha", diz um dos relatórios.

Segundo o diário, Santos utilizou essa vantagem para arrancar a promessa de deixar de apoiar guerrilha colombiana, com o sinal verde de Washington.

"Não está totalmente claro quais foram exatamente as demandas apresentadas pela Colômbia, mas a Colômbia deu à Venezuela uma lista dos mais altos líderes guerrilheiros que eles querem que sejam extraditados", afirmou o autor de um dos relatórios. "Tal como minha fonte afirma, Santos não é tão ingênuo", acrescentou.

*Com EFE

    Leia tudo sobre: wikileakschávezcolômbiafarcwalid makled

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG