Puerto Ordaz (Venezuela), 29 ago (EFE).- O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, reiterou hoje seu apoio à Rússia no conflito na Ossétia do Sul e aplaudiu Moscou por ter reconhecido a independência dessa região, afirmando que teria feito o mesmo.

"A Rússia reconheceu a independência da Ossétia do Sul. Apoiamos a posição digna da Rússia. A Rússia tem razão, está defendendo seus interesses (...) e nós faríamos o mesmo", disse Chávez.

"O conflito é produto dos Estados Unidos que querem impor um presidente títere na Geórgia, por isso a agressão da Geórgia contra a Ossétia do Sul", assegurou Chávez, em discurso durante a visita do presidente do Equador, Rafael Correa, à Faixa do Orinoco.

O líder venezuelano defendeu a posição russa, pois, para ele, "querem cercar a Rússia" e esta "se pôs de pé" porque "a Rússia de hoje não é a de (Boris) Yeltsin nem a da Perestroika que se entregou (...) ao imperialismo".

"A Otan, e o que importa a Otan?" questionou Chávez se referindo à posição que a Organização do Tratado do Atlântico Norte mantém em apoio à Geórgia perante as tentativas separatistas das regiões da Abkházia e da Ossétia do Sul.

Chávez já havia manifestado seu apoio à Rússia em 17 de agosto em um discurso durante seu programa dominical de rádio e televisão "Alô, Presidente", no qual informou que tinha conversado por telefone com o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, para mostrar apoio.

Nos últimos três anos, a Venezuela comprou da Rússia 24 aviões caça Sukhoi 30 e aproximadamente 50 helicópteros de artilharia, por cerca de US$ 2 bilhões, segundo dados oficiais russos, além de 100 mil fuzis AK-103. EFE mmm/bm/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.