Chávez pisa no acelerador a poucos dias das eleições regionais

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, multiplica seus atos na reta final da campanha para as eleições regionais e subiu o tom contra os candidatos da oposição, em uma disputa na qual Chávez diz que estarão em jogo seu futuro e o da revolução bolivariana.

AFP |

Consciente de seu alto índice de popularidade, Chávez tem participado, nos mínimos detalhes, da campanha do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e já transformou essas eleições locais em um grande plebiscito.

"É o meu destino, o destino de Chávez que está em jogo (...) Que Chávez continue governando a Venezuela dependerá do que acontecer em 23 de novembro", declarou o presidente, no domingo à noite, em Maracaibo, capital de Zulia (oeste), um dos dois estados atualmente dominados pela oposição.

Desde meados de outubro, Chávez, que foi eleito presidente em 1998 e deverá deixar o poder em 2013, vem peregrinando como um verdadeiro candidato por todo o país, sobretudo, onde seus companheiros de partido estão em dificuldades.

Na última semana, ele apareceu até três vezes por dia na TV. Além dos eventos de campanha, o onipresente Chávez multiplicou seus atos presidenciais: lançou a pedra fundamental de uma auto-estrada e de um aeroporto, inaugurou projetos energéticos, fábricas e hospitais, enviou um satélite ao espaço e celebrou os êxitos de suas diferentes missões sociais.

Os institutos de pesquisa apontam que, desta vez, a oposição pode ganhar em pelo menos cinco estados, contra os dois que governa no momento. Além disso, o chavismo enfrenta ainda um grupo de candidatos dissidentes, chamados de "traidores" e "apátridas" por Chávez, já que não se uniram às fileiras do PSUV e podem vencer em alguns pontos-chave.

Em Barinas (sudoeste), terra natal do presidente, o maior rival do irmão mais velho de Chávez, Adán, que é candidato a governador, é justamente um dissidente do partido.

"Se eles ganharem em Barinas, será, para mim, um golpe no fígado, estariam me atingindo em meu próprio ninho", admitiu Chávez, neste fim de semana.

Durante a campanha, o presidente venezuelano evitou temas que seriam fundamentais em eleições locais, como a insegurança e os índices de violência, e se concentrou em si mesmo e em seu projeto de governo.

Assim, Chávez denunciou que a oposição quer a vitória para "derrubá-lo", ou "matá-lo", e alertou sobre um plano de desestabilização contra seu governo, orquestrado de Zulia.

Para o deputado Ismael García, do dissidente partido Podemos, o que está em jogo no próximo domingo, "não é apenas a eleição de vereadores, deputados, governadores e prefeitos".

"O presidente quer essa maioria para impor um modelo de reforma que foi rejeitado em dezembro passado", advertiu, em declarações à imprensa local, referindo-se ao projeto de reforma constitucional rejeitado em referendo no final de 2007.

Conscientes de que a abstenção é o maior risco, em um país que, nos últimos dez anos, foi às urnas praticamente uma vez por ano, os políticos multiplicam seus apelos para que os cidadãos compareçam para votar.

Ao todo, cerca de 17 milhões de venezuelanos são esperados nas urnas para eleger 22 governadores, 328 prefeitos e 233 responsáveis pelos conselhos regionais.

bl/tt/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG