Chávez pede que povo tome ruas após eleições regionais

CARACAS - O presidente venezuelano, Hugo Chávez, pediu nesta terça-feira aos seguidores para tomarem as ruas depois da votação de 23 de novembro, para evitar que a oposição afirme que houve fraude e se repita o ocorrido na Nicarágua.

EFE |

"No domingo, após votar, todo o mundo na rua, porque as ruas são do povo, não da oligarquia", afirmou o governante.

"A oposição, apoiada pelo império ianque (Estados Unidos), está planejando desconhecer os resultados, mas o povo e as Força Armadas com o povo são garantia de paz e que se respeitará a vontade popular", acrescentou o presidente venezuelano.

O pedido foi feito por Chávez durante um ato com simpatizantes realizado no Poliedro de Caracas por ocasião das eleições regionais e municipais de domingo.

Chávez explicou que, diante da perspectiva de uma "esmagadora derrota", a oposição vai "gritar fraude" e reproduzir o modelo aplicado na Nicarágua pelos opositores ao Governo sandinista.

Segundo o presidente venezuelano, o sandinismo ganhou as eleições municipais nicaragüenses de 9 de novembro, mas a oposição, seguindo instruções de Washington, desconheceu os resultados, o que deu lugar a violentos distúrbios.

Os resultados provisórios do Conselho Supremo Eleitoral (CSE) da Nicarágua estabeleceram como vencedor a Frente Sandinista de Libertação Nacional em pelo menos 101 das 146 Prefeituras em disputa, incluindo Manágua.

Chávez explicou a seus seguidores que esse plano opositor para qualificar como fraude o resultado e não reconhecer a vitória do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) tem um "antídoto": "que o povo tome as ruas".

Em 23 de novembro, 17 milhões de venezuelanos poderão escolher 22 governadores e 328 prefeitos, além de 233 legisladores regionais, para um total de 603 cargos de representação popular, segundo o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela.

    Leia tudo sobre: venezuela

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG