Chávez pede que Obama liberte cubanos presos nos EUA

Caracas, 12 set (EFE).- O presidente venezuelano, Hugo Chávez, pediu hoje que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, liberte os cinco agentes cubanos presos há 11 anos naquele país por espionagem.

EFE |

A titular do Ministério da Mulher e a Igualdade de Gênero da Venezuela, María Leão, também ergueu a mesma bandeira.

"Com um novo Governo americano recém-eleito, abre-se outra oportunidade para colocar em liberdade os cubanos e levantar o embargo comercial dos EUA", afirmou.

"Estamos exigindo que os EUA abram as portas dessas masmorras", disse a ministra na manifestação em Caracas.

O presidente do Parlamento cubano, Ricardo Alarcón, apelou neste sábado em Havana à condição de homem decente de Obama e capaz de fazer justiça.

Alarcón esclareceu que nunca pensou em fazer esse pedido porque havia um bandido na Casa Branca, referindo-se ao presidente anterior dos EUA, George W. Bush.

O Governo de Havana insiste que Obama ordene as libertações sem recorrer a nenhum tribunal, especialmente após uma recente decisão da Corte Suprema americana que não aceitou uma apelação para revisar a pena dos cubanos.

Gerardo Hernández, René González, Ramón Labañino, Fernando González e Antonio Guerrero foram condenados em 2001 a penas que variam entre 15 a 30 anos, e alguns com prisão perpétua, por espionagem e conspiração nos Estados Unidos e por serem agentes não registrados de um Governo estrangeiro, entre outras acusações.

As autoridades cubanas confirmaram que eles eram agentes, mas que buscavam impedir atos terroristas contra Cuba e que não representavam uma ameaça para a segurança dos Estados Unidos.

O dirigente estudantil venezuelano César Trompiz disse à agência estatal venezuelana de notícias "ABN" que a libertação destas pessoas é uma luta pela humanidade.

"Eles estavam defendendo a estabilidade e a soberania de Cuba e também dos Estados Unidos", ressaltou Trompiz.

Em 2005, o caso parecia caminhar a favor dos cinco cubanos, mas um tribunal de apelações dos EUA anulou as sentenças de primeira instância e a Corte Suprema dos Estados Unidos, recentemente, resolveu não aceitar mais apelações. EFE ar/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG