medir palavras ou ir embora - Mundo - iG" /

Chávez manda embaixador dos EUA medir palavras ou ir embora

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse ao embaixador americano em Caracas que meça suas palavras ou deixe o país, reagindo a uma declaração do diplomata indicando que o tráfico de drogas entre os dois países aumentou nos últimos anos. O recado a Patrick Duddy foi dado no programa dominical Alô, Presidente, transmitido pela TV e a rádio estatais.

BBC Brasil |

"Meça melhor suas palavras, senhor excelentíssimo embaixador", disse Chávez.

"Recomendo ao embaixador dos Estados Unidos em Caracas que guarde suas palavras. Não vamos aceitar interferências, embaixador, nos assuntos internos", declarou.

"Se o senhor violar as convenções internacionais terá de deixar este país. Não aceitaremos desrespeito. O senhor teria de fazer as malas e ir embora da Venezuela."

No sábado, o embaixador Duddy havia lamentado que "traficantes de droga estão aproveitando a brecha que existe os dois governos" para incrementar suas atividades ilícitas. "Fazem piada de nós enquanto estamos envolvidos em outras discussões", declarou o embaixador.

Não é a primeira vez que Chávez ameaça expulsar da Venezuela um embaixador americano, mas esta vez surpreendeu os que recordam do ambiente amigável de julho passado, quando o presidente venezuelano fez saber ao embaixador Duddy que os laços com a agência antidrogas americana, suspensos há dois anos, poderiam ser retomados.

Embora não se tenha conhecimento de novas aproximações, no Departamento de Estado americano, em Washington, falou-se da possibilidade de funcionários americanos visitarem Caracas para coordenar a cooperação futura.

'Go home'

Em seu programa, Chávez também criticou o diretor do Escritório Nacional de Políticas para Controle de Drogas dos Estados Unidos, John P. Walters, que, de acordo com o presidente venezuelano, fixou unilateralmente uma data de visita à Venezuela.

"Go home (vá para casa). That's not the way, mister (não é assim que se faz, senhor). Are you donkey (o senhor é burro)?", disse Chávez, em inglês.

Horas antes, o Ministério das Relações Exteriores venezuelano indicou que tal encontro não seria de utilidade, que já considera que o país tem feito progressos significativos na luta contra a droga nos últimos anos - particularmente desde a suspensão das relações com as autoridades antidrogas americanas.

"Como a chancelaria lhe disse que não tínhamos nenhuma reunião na agenda, então sai por aí dizendo que o governo venezuelano lhe negou um visto e que não queremos cooperar. Olhe, compadre, vá lavar seu paletó", disse Chávez.

Segundo o presidente, a troca de farpas é uma estratégia americana para "chantagear governos". "Conosco, isso não vai funcionar. Creio que vai funcionar menos na Américas Latina", declarou Chávez.

'Drogas no banheiro'

Durante o programa, o presidente venezuelano apresentou gráficos mostrando que os Estados Unidos produzem mais maconha do que trigo ou milho em Estados como a Califórnia, Kentucky, Oregon, Tennessee, Washington e West Virginia.

"Acusam-nos de apoiar ou permitir aqui o tráfico de drogas, mas o primeiro produtor de maconha no mundo são os Estados Unidos. Eles, que não quiseram eliminar este flagelo, querem vir aqui para nos ditar regras", disse Chávez. Em seguida, fez novamente piada com Walters.

"Talvez no banheiro de seu escritório haja uma semente de maconha. Veja debaixo do vaso sanitário", afirmou.

O presidente venezuelano insistiu na linha oficial de que a culpa do tráfico de drogas é a demanda gerada nos Estados Unidos, assim como na Colômbia, um dos principais produtores do mundo.

Sem a DEA

Em 2005, o presidente Chávez suspendeu os trabalhos conjuntos entre as forças de segurança venezuelanas e a DEA, a agência antidrogas americana, acusando-a de tentar desestabilizar seu governo - alegações que a agência rejeitou.

Desde então, funcionários antidroga dos Estados Unidos afirmam que o trânsito de drogas pela Venezuela está aumentando. Já as autoridades da Venezuela apresentam um suposto aumento de apreensões para demonstrar o sucesso de sua política antinarcóticos.

As relações entre os dois governos se deterioraram desde que Chávez chegou ao poder, em 1999, e especialmente desde 2002, após o golpe de Estado que tirou brevemente do poder o atual presidente, supostamente com ajuda americana.

No entanto, desde que o embaixador Duddy chegou a Caracas, em 2007, muitos analistas acreditavam que a deterioração nas relações bilaterais estava contida.

Leia mais sobre Hugo Chávez

    Leia tudo sobre: hugo chávez

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG