Chávez lança programa para dar dinheiro a crianças pobres

Programa que permite que famílias de baixa renda peçam R$ 184 por mês por criança é criticado pela oposição como eleitoreiro

iG São Paulo |

O governo do presidente da Venezuela Hugo Chávez lançou nesta segunda-feira um novo programa para dar US$ 100 (R$ 184) por mês a crianças pobres do país, na última de uma infinidade de "missões" sociais que têm sustentado sua popularidade.

Leia também: Presépio com Hugo Chávez diante da manjedoura causa polêmica

Chávez, que busca a reeleição em 2012 , diz que tais medidas mostram o benefício evidente do governo socialista na nação sul-americana membro da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo). Mas os críticos argumentam que se trata de uma manobra pré-eleitoral para mascarar o fracasso econômico.

Segundo a Missão Grandes Filhos da Venezuela, residências de baixa renda poderão pedir 430 bolívares por mês do governo para cada criança de até três anos de idade. Dependentes com deficiência se qualificarão para 600 bolívares. "O objetivo é ajudar famílias na pobreza extrema", disse a ministra para Proteção Social, Isis Ochoa.

Os partidários de Chávez dizem que o último projeto social, que entra no grupo de "missões" que cobrem de tudo, da saúde a casas de baixo custo, mostra como a riqueza do petróleo da Venezuela está sendo distribuída da maneira certa para beneficiar os pobres.

Eles comparam isso com a redução dos benefícios sociais em meio aos duros tempos econômicos na Europa e nos Estados Unidos .

Embora cautelosos em criticar um benefício para crianças que é anunciado pouco antes do Natal, os opositores dizem que o último projeto é uma tática tipicamente populista para maximizar os votos para Chávez na próxima eleição presidencial de outubro.

Eles argumentam que a doação é apenas um emplastro colocado sobre a economia fragilizada, e os pobres iriam se beneficiar mais com melhores possibilidades de emprego, inflação mais baixa, menos corrupção e uso mais eficiente das rendas de petróleo da Venezuela.

Embora enfrentando um desafio forte de uma coalizão recém-unida da oposição, Chávez continua o político mais popular da Venezuela, com um índice de aprovação acima dos 50 por cento.

Chávez é favorito

Chávez se manteve como grande favorito para vencer as eleições em seu país e conquistar mais um mandato consecutivo, de acordo com pesquisas realizadas pelos institutos locais IVAD e Hiterlaces e divulgadas nesta segunda-feira pelo ministro de Comunicações, Andrés Izarra.

Se as eleições de 7 de outubro de 2012 fossem realizadas hoje, Chávez obteria 55,5% dos votos, segundo o IVAD, e de 49%, Hinterlaces, de acordo com dados divulgados no Twitter por Izarra.

A pesquisa do IVAD consultou 1,2 mil eleitores de 20 a 28 de novembro, e tem uma margem de erro de 1,03% a 2,37%. Já a da Hinterlaces entrevistou 1.129 pessoas e sua margem de erro é de 2,6%.

Nesta última, Chávez venceria por 49% a 38% qualquer um dos candidatos apresentados aos participantes. Já na pesquisa do IVAD, Chávez levaria a melhor sobre o governador Henrique Capriles por 55,5% a 31,8%; venceria o ex-prefeito Leopoldo López por 56,9% a 28,8%; e derrotaria o também governador Pablo Pérez por 56,9% a 29,8%.

María Corina Machado, Diego Arria e Pablo Medina, os outros três opositores que participarão das primárias que a coligação Mesa da Unidade Democrática (MUD) realizará no dia 12 de fevereiro para definir quem disputará com Chávez o período presidencial 2013-2019, não constaram nas pesquisas.

Sobre a avaliação da gestão presidencial, o IVAD apontou que ela é apoiada por 71,5% dos consultados, porcentagem reduzida a 61% no caso da pesquisa da Hinterlaces.

Segundo ambas, essa avaliação positiva subiu desde que Chávez revelou em junho que passou por uma cirurgia para a retirada de um tumor  que, em exames posteriores, indicou a presença de células cancerígenas.

Com Reuters e EFE

    Leia tudo sobre: chávezvenezuelaeleição na venezuelaoposiçãocriança

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG