HAVANA - O presidente venezuelano, Hugo Chávez, chegou neste fim de semana a Havana para uma visita de trabalho com o líder cubano, Raúl Castro, informou um comunicado oficial que foi reproduzido hoje pela imprensa da ilha, que não deu outros detalhes.

A visita de Chávez a Cuba, que não tinha sido anunciada com antecedência nem em Caracas nem em Havana, é a quinta do presidente divulgada em menos de 12 meses.

A viagem coincide com o primeiro aniversário da renúncia do líder cubano Fidel Castro, na quinta-feira, e com o da ratificação de seu irmão Raúl como chefe de Estado titular, que ocorre na terça-feira.

O comunicado cubano sobre a visita destaca que "acontece poucos dias depois da vitória popular no referendo aprobatório da reforma constitucional pela eleição contínua de cargos públicos" na Venezuela.

Na noite de sexta-feira, Castro recebeu, no aeroporto José Martí de Havana, Chávez e sua comitiva, formada pelos ministros venezuelanos de Exteriores, Nicolás Maduro; Energia e Petróleo, Rafael Ramírez, da Presidência, Luis Reyes; do Planejamento, Haiman el-Troudi; e Agricultura, Elías Jaua.

O jornal "Granma", porta-voz do Partido Comunista, afirma que, "com o abraço dos dois líderes no terminal aéreo de Havana, símbolo da unidade de dois povos irmãos, e os Viva Cuba, Viva Fidel e Viva Raúl de Chávez ao pisar em terra cubana, começou a visita de trabalho".

Em sua capa, a publicação traz uma foto em preto-e-branco dos líderes, ambos usando uniforme militar, e lembra que Fidel Castro escreveu, em 12 de fevereiro, em uma de suas "Reflexões", que o libertador Simón Bolívar "desperta de novo na ação revolucionária de Chávez".

Como é comum, o comunicado oficial emitido hoje não especifica até quando durará a visita, nem se o líder venezuelano se reunirá com o ex-líder, como fez em suas muitas viagens à ilha nos últimos anos.

A primeira visita de Chávez a Cuba em 2008 aconteceu em março, a segunda em junho, e houve mais duas em setembro, no início e no fim de uma viagem do presidente venezuelano por Rússia, China, França e Portugal.

Raúl Castro, por sua vez, fez uma escala em Caracas em dezembro, em sua primeira viagem ao exterior como presidente, durante sua ida às cúpulas latino-americanas convocadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Costa do Sauípe (BA).

A Venezuela é o principal parceiro comercial de Cuba, que compra de Caracas diariamente 90 mil barris de petróleo em condições financeiras favoráveis, que a ilha paga com serviços médicos, educativos e esportivos.

Um comunicado oficial emitido também hoje em Caracas pelo Governo venezuelano destaca que os dois países "sustentam uma dinâmica relação através de vários acordos que os unem em matéria econômica, energética, tecnológica e social, cuja visão é fortalecer a integração".

Chávez é o sexto governante latino-americano a passar por Havana em menos de dois meses, após o panamenho Martín Torrijos, o equatoriano Rafael Correa, a argentina Cristina Fernández de Kirchner, a chilena Michelle Bachelet e o guatemalteco Álvaro Colom.

Cristina e Bachelet foram recebidas por Fidel e tiraram fotos com ele, mas os outros três líderes não, pois, de acordo com Castro, o ex-líder não pode receber a todos os que vêm a Havana.

Para os próximos meses estão previstas as visitas a Cuba dos presidentes de Honduras, Manuel Zelaya, e México, Felipe Calderón.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.