Chávez e sua revolução completam 10 anos

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e seus seguidores celebram nesta segunda-feira o décimo aniversario de sua chegada ao poder, com o olhar voltado para a nova tentativa de manter-se no poder, além de 2012.

AFP |

"Juro ante Deus, ante a pátria e ante o povo que, sobre esta moribunda Constituição, impulsionarei as reformas necessárias para elaborar uma Carta Magna adequada aos novos tempos", foi o particular juramento de Chávez naquele 2 de fevereiro de 1999.

Dez anos depois, Chávez está concentrado em emendar essa mesma Constituição que ele ajudou a criar em 1999, para mudar cinco artigos e suprimir os limites à reeleição de qualquer cargo surgido das urnas.

Se esse texto for aprovado no referendo de 15 de fevereiro, o presidente, com popularidade superior a 57%, poderá voltar a se candidatar em 2012, quando expira seu segundo e até agora último mandato.

A oposição sustenta que a emenda é inconstitucional, porque a população já rejeitou, em outro referendo, em dezembro de 2007, a reeleição ilimitada, contida numa proposta de reforma à Constituição.

As pesquisas mais recentes mostram que a Venezuela está literalmente dividia em duas. Este cisma é sentido nas ruas, nos meios de comunicação e na forma de se fazer política no país. Segundo sondagem da Datanálisis, neste momento o "Sim" à emenda conseguiria 51,5% dos votos, enquanto o"Não" receberia 48,1%.

Em sua campanha, o governo insiste em que "sem Chávez se perde tudo": as escolas públicas, a saúde gratuita, o direito de escolher e a paz social. Por sua vez, a oposição considera que a emenda acabaria com o princípio de alternância e, além disso, a proposta já foi recusada.

"Os que queiram seguir por um caminho que leve direto à violência, à ingovernabilidade e ao caos devem votar não. Os que queiram paz, desenvolvimento humano e econômico e que a Venezuela se converta em potência venham com Chávez", insiste o presidente.

Amigos e inimigos de Chávez coincidem em que o discurso desse político de 54 anos, provocador, pouco ortodoxo, com muita energia apelativa e que leva a paixões desencontradas, mudou muito, sobretudo depois da tentativa de golpe de Estado de abril de 2002.

O general Raul Isaías Baduel, ex-companheiro de armas de Chávez, assegurou em recente entrevista que o mandatário persiste em sua "ambição personalíssima" de ser presidente vitalício e "desdenha a vontade do povo que já disse não".

Os detratores de Chávez criticam, além disso, a concentração de poderes em mãos do presidente e a transformação de instituições públicas em títeres do governo.

Neste momento, o Executivo controla a Assembleia Nacional (Parlamento), cujos deputados serão renovados em 2010 e a maioria dos governos de cidades e estados, embora nas eleições regionais de 2008, a oposição conquistou importantes espaços de poder.

Em sua política externa, Chávez, criticou o governo dos Estados Unidos ao qual se refere como "o império"; estabeleceu alianças com países que poderiam representar contrapeso à tradicional influência de Washington na América Latina, como Rússia, Belarus, Irã e China.

Além disso, aglutinou em torno de si uma esquerda rebelde, que inclui países como Nicarágua, Bolívia e Equador.

"Virão dez anos mais de período revolucionário (...) Eu estarei aqui até Deus quiser e o povo mandar", prometeu Chávez.

bl/rsr/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG