La Paz, 17 jul (EFE).- O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou hoje, em La Paz, que o líder deposto de Honduras, Manuel Zelaya, entrará no país nas próximas horas e que é preciso apoiá-lo.

"Zelaya disse que nas próximas horas entrará em Honduras e nós estamos com Zelaya. É preciso apoiá-lo. Zelaya vai entrar em Honduras e os gorilas verão o que vão a fazer", disse Chávez, que está na sede do Governo boliviano desde a quinta-feira, apesar de não ter anunciado a ampliação de sua visita.

O líder venezuelano foi recebido pelo presidente boliviano, Evo Morales, na porta do Palácio de Governo, onde, segundo Chávez, analisarão a situação de Honduras.

"O país está paralisado, é um país ingovernável e todo o povo pede a volta de Zelaya e o que os golpistas têm que fazer é entregar o Governo ao presidente legítimo e nós todos temos que apoiá-lo", acrescentou Chávez.

O líder venezuelano voltou a insultar os novos governantes de Honduras, liderados por Roberto Micheletti, e os qualificou de "usurpadores", "máfia capaz de qualquer coisa" e "assaltantes de estrada".

"Vito Corleone, o poderoso chefão, (...) Al Capone são crianças de colo se comprados a 'gorileti' e seus bandidos que têm que ser varridos pelo povo de Honduras e varridos pela história, porque não podemos voltar atrás", declarou Chávez.

"Gorileti" é o termo depreciativo pelo qual Chávez se refere a Roberto Micheletti, governante interino de Honduras.

O presidente venezuelano também disse que a chanceler de Zelaya, Patricia Rodas, saiu esta madrugada de La Paz rumo a Manágua, onde, no domingo, serão comemorados os 30 anos da revolução sandinista, evento ao que disse não ser seguro assistir.

Chávez e Patricia chegaram juntos na quarta-feira a La Paz, para participar da celebração dos 200 anos da revolução de La Paz contra o domínio colonial espanhol. EFE ja/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.