sabotar a cúpula climática - Mundo - iG" /

Chávez diz que países ricos tentaram sabotar a cúpula climática

Caracas, 16 dez (EFE).- O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, acusou hoje os países ricos liderados pelos Estados Unidos de tentar sabotar a cúpula sobre a mudança climática em Copenhague.

EFE |

Chávez disse que um grupo de nações industrializadas tentou, sem sucesso, impor na conferência um documento "saído do nada", em discurso feito na capital dinamarquesa e transmitido na Venezuela em cadeia obrigatória de rádio e televisão.

Os Estados ricos "não querem assumir responsabilidades" pela mudança climática e, "com os Estados Unidos à cabeça, trataram de impor um documento que não foi consultado pela maioria de nós", disse.

Esses países industrializados, dos quais só identificou aos Estados Unidos, "querem sabotar a cúpula (...) o que querem é acabar com o Protocolo de Kioto", que vence em 2012, sustentou Chávez.

O governante venezuelano resenhou que durante sua "modesta" intervenção na cúpula de Copenhague falou da responsabilidade do capitalismo e dos países que o representam na "destruição" do planeta.

Explicou que tinha apenas três minutos para falar perante a conferência organizada pelas Nações Unidas, mas se estendeu por "25 minutos", porque, expressou: "como pode uma pessoa vir até aqui e ficar três minutos no palanque?".

Reiterou a necessidade de todas as nações do mundo assumirem suas responsabilidades em matéria ambiental para assim "dar uma freada forte nos próximos dois anos ao reaquecimento do planeta" e evitar sua "destruição".

O chefe de Estado lembrou a tragédia natural de Vargas, registrada entre 15 e 16 de fevereiro de 1999, na qual morreram aproximadamente 10 mil pessoas em meio a deslizamentos provocados por fortes chuvas que caíram durante vários dias no Litoral Central venezuelano.

A tragédia de Vargas "teve a ver com as mudanças climáticas, e agora o que temos é uma intensa seca, quase não choveu em 2009 na Venezuela", comentou.

A falta de chuvas teve como consequência uma grande redução dos açudes, o que obrigou ao Governo a implementar desde novembro passado um programa de racionamento de água e eletricidade.

Chávez pediu a seus compatriotas que aceitem "a necessidade" de fazer os cortes nos serviços elétrico e de água, porque são uma maneira de "evitar" um futuro colapso maior. EFE gf/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG