Caracas, 4 abr (EFE) - O presidente venezuelano, Hugo Chávez, afirmou hoje que não falará em público sobre o caso da libertação de Ingrid Betancourt, em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) desde 2002, pois a partir de agora só vai agir para conseguir que os reféns sejam soltos. As situações obrigam a mudar de tática e prefiro não falar publicamente sobre o tema de Betancourt, respondeu Chávez a uma pergunta de um jornalista, em entrevista coletiva conjunta com o chefe de Estado esloveno, Danilo Türk. Na quinta-feira à noite, o governante venezuelano reiterou sua disposição em colaborar para a libertação da ex-candidata presidencial franco-colombiana, mas hoje afirmou que prefere agir, em vez de falar em público sobre o assunto. Por este motivo, evitará no futuro discorrer sobre as gestões de seu Governo para tentar soltar tanto a política quanto os outros seqüestrados pela guerrilha. Chávez ressaltou que, nas últimas semanas, manteve contatos com os presidentes francês, Nicolas Sarkozy, e colombiano, Álvaro Uribe, para trocar pontos de vista sobre o conflito no país vizinho. O chefe do Estado venezuelano disse que prometeu tanto a Sarkozy como à mãe de Betancourt, Yolanda Pulecio, e a parentes dos militares retidos pelas Farc que não descansará até conseguir a libertação dos seqüestrados. Não descansaremos, só que não vamos falar sobre o tema em público, preferimos agir, obrigados pelas circunstâncias. E nisto a...

Türk, de visita oficial à Venezuela, disse que durante sua estadia na quinta-feira em Bogotá conversou com Uribe sobre a situação de Betancourt e voltou a pedir a colaboração das pessoas que podem ajudar a libertar os reféns das Farc.

O caso da política franco-colombiana "é um problema humanitário", disse Türk, "um problema de vida ou morte", já que "Betancourt está muito doente", lembrou.

Por isso, o presidente esloveno pediu que a ex-candidata presidencial seja solta "o quanto antes. Todo mundo deseja que Ingrid seja libertada e que não sejam feitos mais reféns", afirmou.

EFE apv/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.