Chávez diz que bases dos EUA na Colômbia serão tema central da Unasul

Caracas, 2 ago (EFE).- A próxima reunião da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) terá como um de seus temas centrais a possível instalação de mais tropas dos Estados Unidos em bases colombianas, disse hoje o presidente venezuelano, Hugo Chávez.

EFE |

"Esta semana, conversei com vários chefes de Estado de nosso continente, a fim de alertá-los sobre o perigo representado pelas novas bases militares gringas para a Venezuela. É evidente que este será um tema central na próxima reunião da Unasul", diz o governante, em seu artigo dominical.

A Unasul se reunirá em 10 de agosto, em Quito.

O governante venezuelano expõe no texto seu ponto de vista sobre o papel de Bogotá no contexto latino-americano como agente "servidor dos interesses do império (os EUA)".

Afirma também que as cinco bases militares nas quais devem se assentar tropas americanas são um risco real para a Venezuela.

"Quem o presidente (colombiano, Álvaro) Uribe e a oligarquia colombiana pretendem fazer acreditar que o aumento da presença militar ianque, através destas novas bases, não significa uma ameaça direta contra a Venezuela?", pergunta Chávez.

Além disso, adverte que "a intervenção dos EUA - a que é preciso acrescentar a presença desse Estado não menos militarista que Israel - na guerra interna colombiana torna simplesmente impossível que seus alcances se limitem ao território desta Pátria irmã e sofrida".

O governante venezuelano afirma que o objetivo último destes movimentos é expandir ou consolidar a influência de Washington na região latino-americana.

"É a expansão para toda a região o que se procura e, antes de mais nada, para a Venezuela. Então, o Plano Colômbia não é um assunto exclusivamente colombiano: afeta e ameaça a todos", afirma o presidente venezuelano.

Chávez considera que, por trás da decisão colombiana de abrir as portas de seu país aos militares americanos, está "a obsessão de Uribe com a firma de um tratado de livre-comércio com os EUA", o que, na opinião do presidente venezuelano, "torna-o capaz de tudo".

EFE rr/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG