Chávez diz não entender porque Zapatero arrisca relações com Venezuela

Caracas, 15 mar (EFE).- O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse hoje que não entende como o presidente do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, pode pôr em perigo as relações com a Venezuela ao defender José María Aznar, ex-chefe de Governo da Espanha.

EFE |

O presidente venezuelano reiterou que "seria lamentável" que Zapatero arriscasse a relação da Espanha com a Venezuela por Aznar e acrescentou que ele nunca faria algo similar se alguém, por exemplo, acusasse o ex-presidente venezuelano Carlos Andrés Pérez de "genocida".

Segundo ele, se um ex-presidente não teve ou não tem um comportamento apropriado não há por que defendê-lo acima de qualquer outra consideração.

Chávez disse ainda que "há provas irrefutáveis" de que Aznar interveio no golpe de Estado perpetrado contra ele em abril de 2002 e que Zapatero não deveria se incomodar quando o ex-presidente é chamado de "mafioso, porque ele é".

Chávez disse ainda que o dano seria maior para a Espanha, referindo-se em especial aos investimentos em petróleo e gás que o país tem na Venezuela.

O presidente da Venezuela também falou da ação aberta pelo juiz espanhol Eloy Velasco sobre uma suposta relação entre o Governo venezuelano, o grupo terrorista ETA e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Chávez disse que é preciso ver as "fotos de Velasco", divulgadas por alguns meios de comunicação na Venezuela na semana passada, quando no ano 2000, sendo funcionário do Governo autônomo de Valência, ele cumprimenta o falecido líder das Farc "Raúl Reyes" em uma visita à Espanha.

Em outra foto publicada pelos meios de comunicação, membros do Governo valenciano recebem uma representação das Farc.

Chávez perguntou aos jornalistas se eram capazes de imaginar o escândalo que seria armado caso ele tivesse recebido uma representação das Farc.

O governante acrescentou que a ação é uma loucura porque "não há uma só prova que sustente a acusação".

Fontes judiciais espanholas disseram hoje que o juiz Velasco recebeu ordens internacionais de prisão contra vários membros do ETA e das Farc. Eles estão sendo processados por sua suposta colaboração para cometer atentados contra altos funcionários colombianos na Espanha. EFE rr/pb/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG