Chávez desdenha de recomendações dos EUA sobre o Irã

No retorno de seu programa dominical, líder venezuelano afirmou que Obama deve se preocupar com os problemas dos EUA e deixar Irã e Venezuela

EFE |

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse neste domingo que "o império ianque", como chama os Estados Unidos, lhe causa risadas ao recomendar que os países evitem relacionar-se com o Irã e pediu ao líder americano, Barack Obama, que se ocupe dos problemas de seu próprio país.

Leia também:  Diplomata sênior da Venezuela é expulsa dos EUA

Reuters
Chavez no retorno ao seu programa de domingo na TV venezuelana
"Hoje chega a Venezuela e nos honra com sua visita o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad (...) e agora, porta-vozes de lá de Washington, do Departamento de Estado da Casa Branca, andam dizendo que não é conveniente para nenhum país se aproximar do Irã... Bom, na verdade, isso me dá vontade de rir", afirmou Chávez.

O líder venezuelano, que retomou neste domingo seu programa dominical "Aló Presidente" gravado na Faixa do Orinoco, maior reserva de petróleo do mundo, declarou que os EUA estão desesperados para dominar o mundo, mas reiterou que "não vão conseguir".

"Esqueça isso, Obama, dedique-se mais aos problemas de seu país que são muitos. Nós somos livres, os povos da América Latina jamais estarão presos e dominados pelo império ianque", acrescentou.

Leia também: Chávez especula se EUA causam câncer em líderes latinos

"Os iranianos desenvolveram não sei quanta tecnologia de defesa (...) e o império está tentando freá-los utilizando como desculpa o desenvolvimento da energia nuclear com fins pacíficos", comentou o chefe de Estado.

"Andam inventando que o Irã está visitando Venezuela, Cuba e Nicarágua para preparar ataques contra os EUA", frisou Chávez, advertindo que é preciso ver essa situação "com cuidado", pois se trata de uma ameaça contra seu país e contra a América Latina.

Além disso, Chávez enviou uma saudação especial ao presidente da Síria, Bashar al Assad, e reiterou que contra esse país "há uma agressão permanente".

    Leia tudo sobre: IRÃVENEZUELAeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG