CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, mandou hoje retirar seu embaixador na Colômbia, Gustavo Márquez, e outros funcionários diplomatas, após chamar de irresponsável o líder colombiano, Álvaro Uribe, por acusações de desvio de armas, e mandou expropriar empresas colombianas.

"Uribe ligou outra vez o ventilador" de acusações "irresponsáveis contra nossa pátria", afirmou o presidente venezuelano.

"Já basta, acabou, não vamos tolerar mais isto" e, a partir de agora, "congelamos as relações", ressaltou o governante venezuelano.

"Que fique (em Bogotá) o funcionário do mais baixo nível (...); vamos congelar as relações e advirto: a próxima vez que houver uma agressão" deste tipo, "romperemos as relações", afirmou Chávez em um conselho de ministros transmitido parcialmente pela emissora "VTV" da rede estadual de televisão.

Essa ruptura também atingirá as relações comerciais e econômicas e então, explicou: "Começaremos a expropriar as empresas colombianas no país".

"A partir de hoje dou a ordem ao gabinete para levantar um relatório com as estatísticas comerciais entre os países já que eles (Uribe e seus funcionários) não têm respeito para conosco e tenho certeza de que voltará a haver um ataque diplomático em breve", previu.

O vice-presidente colombiano, Francisco Santos, afirmou nesta segunda que várias armas que um país europeu "vendeu à Venezuela apareceram nas mãos das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia)".

Hoje, o Governo da Suécia confirmou que vários lança-foguetes produzidos no país e apreendidos recentemente com as Farc foram vendidos à Venezuela no final da década de 80.

O presidente da Venezuela disse que o "ventilador de porcaria" faz parte de uma "nova ofensiva, uma nova agressão do Governo da Colômbia contra a Venezuela", e anunciou que a partir de hoje coloca em "revisão" todo o comércio bilateral.

"Sabendo que é absolutamente falso que nós demos armas a qualquer guerrilha, a movimento armado algum; dissemos 500 vezes e até em algumas ocasiões demonstramos isso", mas as indicações do Executivo colombiano nesse sentido se multiplicaram, ressaltou.

Chávez lembrou que em diversas filmagens foi possível ver os guerrilheiros colombianos com armamento americano, russo e israelita, mas "eles (as autoridades colombianas) se agarram aos menores, e os menores somos nós".

"Não vamos tolerar mais", repetiu. Ele exemplificou o caso com "a irresponsabilidade" que seria que ele acusasse Uribe de armar narcotraficantes que fossem capturados na Venezuela se algum deles fosse surpreendido com uma pistola com as siglas do governante colombiano.

"Imaginem que eu saia, e sem ter investigado, diga que Uribe está dando pistolas aos chefões (do narcotráfico); seria uma irresponsabilidade para qualquer pessoa (...) e na boca de um presidente é algo presidencialmente irresponsável", ressaltou, criticando igualmente o vice-presidente, Francisco Santos Calderón.

Leia mais sobre Hugo Chávez

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.