Caracas, 18 nov (EFE).- O presidente venezuelano, Hugo Chávez, considerou decepcionante a reunião do Grupo dos Vinte (G20, que reúne os países mais ricos e os principais emergentes) realizada no sábado, em Washington, um resultado que, segundo ele, já tinha antecipado.

"Reuniram-se em Washington, com o presidente dos Estados Unidos, os presidentes de 20 dos maiores países do mundo, das chamadas economias mais desenvolvidas. Acho que a reunião foi decepcionante, como ocorreria", disse Chávez, segundo um comunicado do Palácio de Governo divulgado hoje.

Chávez ressaltou que "não tinha esperanças de que dessa reunião" do G20 "saísse algo positivo para o mundo, porque os Estados Unidos são o grande culpado pela crise", O presidente da Venezuela, quinto maior exportador mundial de petróleo, voltou a atacar ao sistema capitalista e a prever sua suposta queda em breve, em meio a uma forte crise mundial.

"Somos obrigados a nos preparar para a travessia de 2009, que não será fácil, porque o mundo capitalista está afundando", disse Chávez, durante um ato na segunda-feira em Valles del Tuy, área na divisa de Caracas, segundo a informação oficial.

"Europa, Estados Unidos, meio mundo está em crise. A crise não nos afetou (a Venezuela) em nada, graças a que aqui chegou, há dez anos, a revolução bolivariana", acrescentou.

No entanto, reconheceu que a economia venezuelana será afetada pela via do mercado petrolífero.

"O preço do petróleo continua caindo, o preço do petróleo já está abaixo de US$ 50, quando há três meses estava em US$ 140. Por essa via, a crise mundial nos afetará", reconheceu Chávez.

O barril de petróleo venezuelano caiu US$ 6,61 e fechou em 14 de novembro com um preço médio semanal de US$ 46,35, de acordo com o relatório semanal do Ministério de Energia e Petróleo venezuelano.

EFE gf/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.