Chávez comemora 10 anos de poder na Venezuela

Por Saul Hudson CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, completou 10 anos no cargo nesta segunda-feira, e decretou feriado nacional para a comemoração apenas algumas horas antes da data, numa demonstração de como seu poder se tornou personalista na Venezuela.

Reuters |

Ex-pára-quedista, que chegou a almejar o poder em um golpe fracassado, Chávez comemorou a data em meio a uma campanha ferrenha para um referendo, marcado para 15 de fevereiro, que pode autorizá-lo a disputar mais uma reeleição.

O auto-intitulado revolucionário socialista, que promete governar durante décadas, recebeu uma cúpula de esquerdistas latino-americanos para as comemorações, ajudando-o a polir suas credenciais de líder regional antes da eleição.

Presidentes de países com economias menores que receberam petróleo barato de Chávez, como Nicarágua e Honduras, chegaram a Caracas para a festa. A cidade se mantinha surpreendentemente tranquila.

Grandes multidões de partidários vestindo camisetas vermelhas deveriam participar das cerimônias, principalmente porque os funcionários públicos tiveram o dia de folga e poderiam ser levados aos eventos nos ônibus do enorme aparelho político de Chávez.

O comércio e as escolas permaneciam fechados, após o esforço do domingo para dizer aos funcionários e estudantes para que ficassem em casa. O decreto de Chávez e as ameaças de multa para as empresas que não o obedecerem demonstraram a liderança por vezes arbitrária de Chávez, assim como sua astúcia política para compreender que a medida seria popular entre os trabalhadores venezuelanos.

Chávez tem vencido as eleições repetidamente ao longo dos 10 anos no poder, durante os quais enfrentou um golpe, uma greve nacional e um referendo revogatório. Ele permanece popular entre os pobres por gastar a riqueza do petróleo em clínicas e escolas, e sempre arranca aplausos da multidão ao discursar condenando o "império do mal" dos Estados Unidos.

"Nós fizemos em 10 anos o que não poderia ser feito em um século", escreveu Chávez aos partidários sobre a sua década no governo.

O país, entretanto, também ficou dividido nos últimos anos. Muitos venezuelanos reclamam que Chávez adquiriu tanto poder que é um ditador em formação.

Esse sentimento ajudou a desgastar parte da atração exercida por Chávez sobre os eleitores. Após uma vitória esmagadora na reeleição de 2006, ele perdeu um referendo em 2007 para mudar a Constituição e permitir sua reeleição. Em novembro, ele também perdeu alguns postos importantes nas eleições regionais para a oposição.

As pesquisas de opinião dizem que os eleitores estão divididos sobre a proposta que vai a voto no referendo deste mês para que Chávez ganhe o direito de permanecer no poder desde que continue vencendo as eleições.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG