Chávez cede três novas reservas de petróleo a Belarus

Ignacio Ortega Moscou, 23 jul (EFE).- O presidente venezuelano, Hugo Chávez, estendeu hoje a mão ao seu colega bielo-russo Aleksandr Lukashenko, pressionado pelo isolamento político e o aumento de preços dos hidrocarbonetos russos, ao lhe ceder a exploração de novas jazidas de petróleo.

EFE |

A empresa mista "Petrolera BeloVenezolana" (PBV) poderá extrair petróleo cru de outras três jazidas na Faixa do Orinoco, a maior reserva do mundo, segundo informou a agência oficial "Belta".

O comunicado assinado pela companhia Petróleos de Venezuela (PDVSA) e pela Belorusneft explicou que Belarus poderá "duplicar sua capacidade de extração" "Temos potencial para extrair dois milhões de toneladas. Este ano planejamos produzir 640 mil toneladas na Venezuela", o vice-primeiro-ministro bielo-russo, Vladimir Semashko.

A PBV já recebeu em dezembro passado, durante a visita de Lukashenko a Caracas, o direito de explorar durante 25 anos o campo petrolífero "Guara Este", uma área da faixa do Orinoco com um potencial de extração de 5 bilhões de barris.

Assim como no caso de outros países parceiros, Chávez fez um acordo de graça a Lukashenko, seu principal aliado neste continente e considerado pelos Estados Unidos o "último ditador da Europa".

O país vê na Venezuela a alternativa energética ideal à Rússia, cuja decisão de deixar de subsidiar a economia bielo-russa com hidrocarbonetos a preços preferenciais ameaça a estabilidade da última economia planificada do continente.

No fim do encontro, os presidentes emitiram um comunicado conjunto no qual defendiam um mundo "multipolar" baseado nos princípios de cooperação, solidariedade e respeito mútuo, e na "defesa da soberania" e na "justiça social".

Ambos destacaram a necessidade de se "respeitar a soberania e integridade territorial dos Estados" e "proibir o uso da força".

O líder bielo-russo, no poder desde 1994, afirmou que o desenvolvimento de múltiplas relações com Caracas é uma das "prioridades" de sua política externa.

No plano militar, o Parlamento de Belarus ratificou recentemente o acordo para a criação de um sistema antiaéreo na Venezuela selado por ambos os presidentes há 6 seis meses em Caracas.

Segundo a imprensa, especialistas bielo-russos se encarregariam de criar um sistema de comando automático para os sistemas de defesa antiaérea S-300 PMU-2 e Tor M-1 que Caracas se propõe adquirir na Rússia. EFE io/rb/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG