revolução dentro da revolução - Mundo - iG" /

Chávez anuncia início de nova etapa e pede revolução dentro da revolução

Caracas, 28 nov (EFE).- O presidente venezuelano, Hugo Chávez, afirmou hoje que seu projeto socialista começa agora uma nova etapa de dez anos, uma revolução dentro da revolução que deve ser marcada por uma espécie de exorcismo, a fim de derrotar os velhos costumes e marcas como a corrupção.

EFE |

"Esta terceira década revolucionária, este período de 2009 a 2019 exigirá muito esforço teórico, moral, intelectual, físico", alertou Chávez a seus seguidores no estado de Vargas, a quem pediu que se esqueçam das "ambições pessoais e materiais" e comportar-se como verdadeiros revolucionários.

O líder assegurou que esta "terceira etapa do projeto revolucionário nasceu em 23 de novembro passado", data das eleições regionais e municipais nas quais o Governo obteve a maioria dos estados e Prefeituras do país.

Nela, acrescentou, deve conseguir a "consolidação do projeto bolivariano em todo o território bolivariano".

Em dezembro de 2006 Chávez foi reeleito para um segundo e último período consecutivo de seis anos, e o governante disse que, pessoalmente, não insistirá em promover a reeleição ilimitada presidencial depois da derrota nas urnas, há um ano, de uma reforma constitucional que apresentou e que incluía essa proposta.

No entanto, na terça-feira passada, deixou nas mãos de seus aliados a possibilidade de promover vias constitucionais como a emenda ou reforma para propor novamente a reeleição ilimitada presidencial e, prévia aprovação do Parlamento, voltar a levar a referendo popular.

Chávez disse hoje que "o que agora se impõe é uma revolução dentro da revolução, porque é o que o povo clama, para consolidar um verdadeiro comportamento revolucionário", em quem, como ele, ocupa cargos de alta responsabilidade.

"O futuro da Venezuela ou é socialista, ou nada, ou a morte", declarou o governante, durante a posse do novo governador do estado de Vargas, o general-em-chefe aposentado e dirigente governista Jorge Luis García Carneiro. EFE gf/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG