Chávez afirma que crise atual também é ética e jurídica

Caracas, 1º out (EFE).- O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou hoje que a atual crise mundial e o colapso do sistema financeiro americano também são resultado da falta de ética e da existência de um direito injusto.

EFE |

"A crise não é apenas econômica, também é política, ética, jurídica, ecológica...", disse Chávez na abertura da 3ª Cúpula de Presidentes dos Poderes Judiciários da União de Nações Sul-americanas (Unasul), que acontece na Ilha de Margarita, na costa venezuelana.

Chávez disse que a atual crise pode ser "muito maior" que o craque de 1929 e que só terá remédio se for proposta uma mudança de sistema.

O atual, segundo Chávez, impõe um modelo de desenvolvimento "que está destruindo o mundo não só fisicamente, mas moralmente".

A crise, acrescentou o presidente, "é o sinal de um tempo que deve morrer e de um parto que deve culminar no salvamento do planeta", ameaçado pelo aquecimento global e outros fenômenos relacionados.

"Para deter esse fenômeno é preciso mudar o sistema capitalista, para não voltarmos à barbárie nem ao tempo das cavernas", declarou Chávez.

O presidente venezuelano também admitiu que "o colapso (atual na economia) vai impactar o mundo inteiro": "É como um elefante que mergulha em uma piscina".

O chefe de Estado terminou seu discurso parafraseando Rousseau e lembrando que as leis é que devem impedir os poderosos de submeterem os interesses do povo aos seus.

"Entre o poderoso e o fraco, a liberdade oprime. Só a lei liberta", declarou Chávez aos representantes do Judiciário dos 12 países da Unasul. EFE rr/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG