Chappaquiddick, uma tragédia que tirou Ted Kennedy da disputa pela Presidência

Edward Kennedy, irmão do presidente norte-americano John Kennedy, chegou a se candidatar à Casa Branca, mas o acidente de Chappaquiddick, uma trágico episódio do qual foi o principal protagonista, provavelmente, pesou muito sobre suas ambições políticas.

AFP |

Senador respeitado, e até bajulado, membro de uma família poderosa, "Ted" Kennedy, que morreu na terça-feira aos 77 anos, carregou durante boa parte de sua carreira essa lembrança atormentadora, repleta de dúvidas sobre o seu papel e o das drogas nessa tragédia.

Em julho de 1969, o carro que dirigia saiu da estrada e caiu em um rio na pequena ilha de Chappaquiddick (Massachusetts, nordeste).

Ted conseguiu sair do rio, mas não alertou as autoridades. A pessoa que estava com ele no carro, Mary Jo Kopechne, de 28 anos, que tinha participado da campanha presidencial de seu irmão Bob no ano anterior, morreu afogada.

Edward Kennedy foi condenado a dois anos de prisão por ter fugido do local da tragédia, uma condenação que seria suspensa.

"Considero como indefensável o fato de não ter avisado imediatamente a polícia a respeito do acidente", disse ele ao pedir desculpas públicas. Ted Kennedy, considerado então uma estrela em ascensão da dinastia, negou que estivesse sob efeito de álcool e que tivesse uma relação extraconjugal com a jovem.

Mas a dúvida permaneceu na cabeça de muitos norte-americanos: Teria ele deixado a jovem morrer? Será que houve um relacionamento entre os dois enquanto ele era casado?

Sua carreira política jamais se recuperou completamente, mesmo com suas seguidas eleições para o Senado durante 47 anos. Em 1980, aspirante à candidatura democrata na eleição presidencial, fracassou em sua disputa interna contra Jimmy Carter ao término de uma campanha em que o episódio de Chappaquiddick foi trazido à tona insistentemente pela imprensa.

Sua vida continuou alimentando rumores, com fama de mulherengo, problemas com álcool e um divórcio conturbado de sua primeira esposa, Joan Bennett Kennedy, que sofria de depressão e alcoolismo.

Seu filho Patrick, de 42 anos, membro da Câmara dos Representantes do Estado de Rhode Island (nordeste), também ocupou com frequência os "faits divers". Ele reconheceu ter consumido cocaína na adolescência e, em 2006, envolvido em um acidente de carro, assumiu ser dependente de alguns medicamentos, tendo sido submetido depois a um tratamento de desintoxicação.

mdl/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG