Nova York, 22 set (EFE).- Os ministros das Relações Exteriores de Colômbia, Jaime Bermúdez, e do Equador, Fander Falconí, se reuniram hoje à noite em Nova York no primeiro encontro bilateral direto desde que os dois países romperam relações diplomáticas, em 3 de março de 2008.

Dois dias antes, o Exército colombiano atacou um acampamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em território equatoriano, em ação que deixou 25 mortos, entre eles o chefe guerrilheiro "Raúl Reyes".

Quito considerou tal ação como uma violação a sua soberania.

A reunião entre os dois chanceleres teve lugar em um hotel de Nova York com o objetivo de buscar "mecanismos de aproximação", disseram à Agência Efe fontes diplomáticas.

Bermúdez disse que terá início um processo de aproximação no qual se almeja "poder avançar nos temas" nos quais se alcance "um consenso básico", segundo um comunicado divulgado antes do começo do encontro.

"Precisamos ser cuidadosos, prudentes e não devemos gerar falsas expectativas", alertou o ministro colombiano.

"É importante que cada país ponha suas considerações sobre a mesa e possa avançar" acrescentou.

Além disso, Bermúdez manifestou a abertura da Colômbia a uma eventual mediação do Centro Carter e da Organização dos Estados Americanos (OEA) que leve ao restabelecimento da confiança mútua.

O Ministério das Relações Exteriores do Equador também manifestou que o objetivo do encontro é ser "o mais frutífero possível" e que a possibilidade de recorrer a uma mediação internacional será avaliada.

Os dois chanceleres estão em Nova York por ocasião da Assembleia Geral da ONU, na qual o presidente colombiano, Álvaro Uribe, deve fazer um discurso amanhã.

O presidente do Equador, Rafael Correa, se recupera de uma cirurgia no joelho e não anunciou sua presença na reunião na sede das Nações Unidas. EFE va/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.