Chanceleres da OEA devem chegar a Honduras na 4a ou 5a

TEGUCIGALPA (Reuters) - Um grupo de chanceleres da Organização dos Estados Americanos poderá visitar Honduras na quarta ou quinta-feira para impulsionar o diálogo entre o presidente deposto, Manuel Zelaya, e o governo de facto que o substituiu depois do golpe militar, afirmou no domingo um enviado da organização. O governo interino proibiu no domingo a entrada no país de três funcionários da OEA porque, teriam chegado de surpresa e não cumpriam as condições para sua permanência, segundo alegaram autoridades no poder.

Reuters |

"Evidentemente há mal-entendidos que se corrigem", afirmou à Reuters John Biehl, assessor do secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, que obteve permissão para entrar em Honduras.

"Creio que são grandes as chances de que haja uma reunião de chanceleres na quarta ou quinta-feira. Há uma disposição de todos os setores para fortalecer o diálogo e afastar a possibilidade de uso da violência", acrescentou.

A OEA exige a restituição de Zelaya, a qual o governo interino se nega veementemente.

Consultado sobre se a OEA reiteraria seu pedido ao governo interino, Biehl afirmou, "absolutamente".

O enviado disse esperar que os três funcionários da OEA que não conseguiram entrar no país no domingo tenham permissão para retornar nesta segunda-feira.

(Reportagem de Esteban Israel e Henry Romero)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG