Chanceler peruano diz que UE não se opõe a negociação com andinos

Lima, 12 jul (EFE).- A União Européia (UE) não vai se opor às negociações para um acordo de associação e cooperação com a Comunidade Andina de Nações (CAN), nem aceitará eventuais vetos por parte dos membros do organismo sul-americano, disse hoje o chanceler peruano José Antonio García Belaúnde.

EFE |

"Há vontade de avançar e não em um ritmo mais lento, mas em um ritmo mais rápido e de encontrar as fórmulas necessárias para que no primeiro semestre do próximo ano seja concluída a negociação e possamos assinar o acordo", disse o chanceler em declarações à "Cadeia Peruana de Notícias".

Ao lembrar que o Acordo de Associação tem três pilares (livre-comércio, diálogo político e cooperação), García Belaúnde ressaltou que não necessariamente todos os membros da CAN (Peru, Colômbia, Equador e Bolívia) têm que estar incluídos nestes aspectos.

"Os europeus estão dispostos a ver as fórmulas que possam acomodar a todos. Pelo que parece, não estão dispostos a aceitar vetos de lugar nenhum. Não se interromperá a negociação porque um país vetou a mesma", disse García Belaúnde em Paris.

O chanceler afirmou que o diálogo com os 27 países-membros da UE, adiado pelos europeus por divergências entre os andinos frente ao pilar comercial do acordo, será retomado em setembro.

Peru e Colômbia buscam que se concretize o mais rápido possível a associação com os europeus, enquanto Bolívia e Equador pedem um tratamento diferenciado e mantêm ressalvas sobre a questão da propriedade intelectual.

Ontem, a comissária de Assuntos Exteriores européia, Benita Ferrero-Waldner, anunciou que a Comissão Européia (CE) espera retomar em setembro as negociações para alcançar um acordo de associação com os andinos, depois de se reunir em Bruxelas com García Belaúnde.

Desde quinta-feira, o chefe da diplomacia peruana realiza uma viagem oficial pela Europa para dialogar com os altos representantes da UE sobre a diretiva de retorno de imigrantes e para impulsionar as negociações com a CAN, entre outros assuntos. EFE watt/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG