Depois da Ossétia do Sul e da Abkházia, a Rússia pode ter outros objetivos, incluindo Criméia, Ucrânia e Moldávia, afirmou o ministro francês das Relações Exteriores, Bernard Kouchner.

"É muito perigoso", disse Kouchner em entrevista à rádio francesa Europe 1.

"Há outros objetivos que você pode supor que são metas russas, em particular Criméia, Ucrânia e Moldávia", declarou o chefe da diplomacia francesa.

A Criméia (sul da Ucrânia) foi território russo até que o chefe de Estado soviético Nikita Krushchev o cedeu em 1954 à Ucrânia (na época também parte integrante da hoje dissolvida União Soviética) como gesto de boa vontade.

"Os conflitos no Cáucaso são extramamente duros. Durante séculos aconteceram confrontos", disse Kouchner, antes de destacar que na Ossétia do Sul, até a explosão do conflito deste mês, "existiam 70.000 pessoas divididas em dois clãs: um pró-russo e outro pró-georgiano".

"Tem que existir um confronto? Eu espero que não", completou, antes de defender uma "solução política".

ial/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.