Chanceler do Equador diz que situação com Colômbia é muito difícil

Quito, 17 nov (EFE).- A chanceler equatoriana, María Isabel Salvador, disse ser muito difícil a situação atual com a Colômbia, país com o qual mantém rompidas as relações diplomáticas desde março, publicou hoje a imprensa local.

EFE |

"Sem dúvida a situação com a Colômbia é muito, muito difícil e vemos como todos os dias e todas as semanas acontece algo na fronteira e isso é extremamente grave", disse a ministra em entrevista publicada hoje no jornal "El Universo".

Segundo ela, essa não é só a opinião do Equador, pois é possível observar isso também em "um relatório pontual sobre o Plano Colômbia solicitado pelo vice eleito dos Estados Unidos, Joseph Biden, quando era ainda presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, ao Escritório Geral de Contabilidade do Congresso".

No relatório, segundo ela, se evidência que "infelizmente o Plano Colômbia não conseguiu cumprir os objetivos para os que foi designado e que tem uma influência nefasta sobre seus vizinhos e, de maneira especial, sobre o Equador porque há setores do território colombiano que não são controlados pelo Governo".

"O Equador está fazendo seu maior esforço, estamos reforçando nossas Forças Armadas para que esse controle seja cada vez mais efetivo e o que está fazendo a Colômbia para controlar sua fronteira sul?", questionou.

A chanceler lembrou que o presidente do Equador, Rafael Correa, foi muito claro ao dizer que o país "responde com tudo a qualquer ingerência de grupos armados irregulares colombianas, ou seja, Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), paramilitares, Águias Negras, crime organizado".

Nesse sentido, a chanceler disse que "jamais o Equador fará o que fez a Colômbia, que para atacar os irregulares foi capaz de ir contra a soberania de outro país".

No dia 1º de março, a Colômbia lançou uma operação em território colombiano contra uma base que as Farc tinham instalado em Angostura. O episódio gerou o rompimento das relações diplomáticas entre ambos os países. EFE sm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG