está aberto a diálogo com Farc - Mundo - iG" /

Chanceler colombiano diz que país está aberto a diálogo com Farc

Londres, 9 out (EFE) - O ministro das Relações Exteriores da Colômbia, Jaime Bermúdez, disse hoje que o Governo colombiano está sempre aberto ao diálogo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), enquanto for uma negociação séria e responsável.

EFE |

"A Colômbia sempre esteve aberta ao diálogo", afirmou o chanceler colombiano em entrevista à Agência Efe em Londres, onde se encontra de visita oficial, ao ser questionado pelo pedido de Ingrid Betancourt para que o Executivo fale "com todo o mundo, em particular com os terroristas".

Na quarta-feira, Betancourt, que foi refém das Farc por mais de seis anos, defendeu no Parlamento Europeu (PE) o diálogo como uma arma "extraordinária" e "indispensável" para acabar com os conflitos.

O chanceler colombiano insistiu em que o presidente colombiano, Álvaro Uribe, deixou claro que "enquanto estes grupos insistirem em seus atos de terror, matando pessoas, seqüestrando pessoas, envolvendo ineludivelmente menores de idade, semeando minas antipessoais, continuarão sendo tratados como terroristas".

"Mas, assim que eles deixarem de assassinar, de matar, cessem suas hostilidades e estiverem dispostos a negociar a sério, o Governo tem todas as portas abertas para isso", assegurou.

Prova disso, acrescentou, é que "hoje dia 46 mil membros (das Farc) se desmobilizaram", assim como do Exército de Libertação Nacional (ELN) e das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC).

"São 46 mil pessoas que reconheceram que é melhor jogar na regra da democracia, e não com as armas", disse Bermúdez, que destacou que com o ELN se avançou em conversas preliminares e, com os paramilitares, foi possível a desmobilização da maioria de seus integrantes "em virtude de uma negociação".

"Com as Farc não foi possível, mas a disposição do Governo sempre está aberta, enquanto for uma negociação séria e responsável", insistiu.

Além disso, pediu cautela, ao considerar que as Farc "enganaram várias vezes a comunidade internacional". EFE ep/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG