Cerca de trinta insurgentes mortos em combates no sul do Afeganistão

Cerca de trinta insurgentes foram mortos nas últimas 24 horas em combates com as forças afegãs e internacionais no sul e no leste do Afeganistão, indicaram neste sábado fontes militares.

AFP |

Dezenove insurgentes foram mortos em combates nesta sexta-feira e no início deste sábado no nordeste de Cabul, de acordo com fontes militares americanas.

Os combates foram registrados na região onde cinco soldados da Otan - três americanos e dois letões - haviam sido mortos.

O confronto foi desencadeado quando os insurgentes atacaram uma patrulha conjunta, provocando uma resposta com armas pesadas por parte dos soldados afegãos e da coalizão.

Segundo a coalizão, os soldados, que procuravam os insurgentes que haviam atacado um posto da coalizão na véspera, mataram 19 deles com a ajuda de apoio aéreo.

"Enviamos reforços para essa região e perseguimos os insurgentes", explicou o general Mohammad Zahir Azimi, porta-voz do Ministério afegão da Defesa.

Cinco insurgentes também foram mortos na sexta-feira à noite no distrito de Nahr Surkh, província de Helmand, um bastião dos talibãs e maior centro de produção de ópio do país, indicou a coalizão sob comando americano em um comunicado.

Na província vizinha de Kandahar, berço dos talibãs, pelo menos seis insurgentes foram mortos em um ataque aéreo no distrito de Maywand, anunciou o chefe dos serviços de informação locais, Abdullah Khan.

Um "terrorista" foi morto durante uma operação do Exército afegão na província de Paktika, no leste do país, segundo um comunicado do Ministério da Defesa.

Por outro lado, o chefe da Polícia do distrito de Farsi, na província de Herat (oeste), foi morto junto com um segurança na explosão de uma bomba na passagem de seu veículo, de acordo com o Ministério do Interior.

Os ataques de insurgentes afegãos, entre os quais de talibãs derrubados do poder no final de 2001 por uma coalizão liderada pelos Estados Unidos, intensificaram-se há dois anos, apesar da presença de 67.000 soldados estrangeiros, que serão reforçados por 21.000 americanos nos próximos meses.

bur-thm/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG