Quito, 28 set (EFE).- Cerca de mil de pessoas foram detidas por violar a lei seca no Equador, em vigor desde sexta-feira passada, que proíbe o consumo e venda de bebidas alcoólicas por causa do referendo constitucional que acontece hoje.

Um relatório da Polícia afirma que 958 pessoas foram detidas por infringir essa norma, 202 delas em Quito.

Os detidos foram colocados às ordens dos tribunais eleitorais das províncias, que exercem a máxima autoridade civil em momentos eleitorais.

Os infratores, segundo a lei eleitoral, podem ser punidos com dois a 15 dias de prisão.

A Polícia mobilizou cerca de 30 mil efetivos em todo o país para garantir a segurança e a tranqüilidade durante o processo do referendo constitucional.

Mais de 9 milhões de equatorianos foram convocados para votar hoje no referendo sobre o projeto da nova Carta Magna elaborada por uma Assembléia Constituinte e impulsionada pelo Governo. EFE fa/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.