Centro de informação acha necessário mudança de estratégia contra os piratas

Kuala Lumpur, 19 nov (EFE).- Os seqüestros e ataques contra navios no Golfo de Áden aumentarão enquanto não acontecer uma mudança de estratégia por parte da força internacional desdobrada na região, disse hoje o Centro de Informação sobre Pirataria, dependente do Escritório Marítimo Internacional.

EFE |

"Ninguém detém os piratas, os militares tentam somente proteger, sem a capacidade necessária para vigiar todo o Chifre da África", disse à Agência Efe Noel Chong, porta-voz do centro com sede em Kuala Lumpur.

Chong disse que os piratas mudam quase constantemente de área de atuação e que cada vez é maior o número de somalis que se incorporam ao lucrativo negócio da pirataria.

O porta-voz do centro fez estas declarações depois que Andrew Mwangura, diretor do Programa de Assistência Marítima (PAM), com sede no porto queniano de Mombaça, informou sobre o seqüestro de uma embarcação grega, o terceiro cometido ontem por piratas somalis no Golfo de Áden.

Com esta embarcação, são 18 os que estão nas mãos de piratas somalis neste momento, com mais de 300 marinheiros, 127 deles filipinos, segundo dados do Escritório Marítimo Internacional. EFE srn/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG