Centro de controle soviético recebeu chegada à Lua em silêncio

Moscou, 21 jul (EFE).- A chegada dos astronautas americanos à Lua há 40 anos foi recebida com um silêncio sepulcral no Centro de Controle de Voos Espaciais (CCVE) da União Soviética, revelou hoje uma das testemunhas que acompanhou dali o histórico acontecimento.

EFE |

"Houve um silêncio geral. Naquela época, eram os militares que lidavam em grande medida com os assuntos espaciais. Havia ali muitos militares, generais, gente conservadora, dura. Todos eles estavam calados. Não houve sinais de admiração, nem aplausos", lembrou o acadêmico Mikhail Marov.

O cientista, que participou do programa lunar soviético, conta que seus sentimentos foram contraditórios, da mesma forma do que os de seus colegas, mas ninguém que estava no CCVE naquele momento demonstrou alguma emoção.

"Em primeiro lugar, evidentemente, senti admiração por ver um acontecimento histórico com o qual não era possível nem sonhar poucos anos antes. Também senti exaltação pelo fato de ter ocorrido na minha geração e por vê-lo com meus próprios olhos", disse.

Marov acrescenta que, ao mesmo tempo, foi tomado por um sentimento totalmente oposto: "E por que nós não conseguimos? Nós também poderíamos tê-lo alcançado".

"Tive a sorte de ver (a chegada à Lua) no CCVE, nos arredores de Moscou. Não foi transmitida pela televisão aberta, mas pela tela gigante do CCVE. Seguimos com atenção todos os estágios do voo, mas evidentemente o ponto alto foi o pouso", lembrou Marov em declarações à agência oficial "RIA Novosti".

Segundo o acadêmico, já então um dos principais cientistas do Instituto Keldysh de Matemática Aplicada da Academia de Ciências da Rússia, os profissionais reunidos no CCVE eram perfeitamente conscientes do colossal trabalho e da enorme conquista de engenharia que a chegada do homem à Lua representou.

"Embora posteriormente tenha se sabido que os norte-americanos estiveram várias vezes literalmente à beira do fracasso, inclusive no primeiro voo, eles conseguiram um sistema de comando de grande flexibilidade, a tripulação estava muito bem preparada e cumpriu, é preciso dizer, o programa de maneira implacável", concluiu.

O presidente americano, Barack Obama, recebeu ontem na Casa Branca os três astronautas da missão Apolo 11, Neil Armstrong, Edwin "Buzz" Aldrin e Michael Collins, por ocasião da comemoração do 40º aniversário da chegada do homem à Lua. EFE egw/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG