Celso Amorim reitera apoio a brasileira investigada na Suíça

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou nesta quarta-feira que o Brasil dará todo o apoio necessário à brasileira Paula Oliveira, indiciada pela promotoria pública de Justiça da Suíça por suspeita de induzir as autoridades ao erro

Redação com agências |

Amorim disse não ter tomado conhecimento oficial da investigação contra a brasileira, mas garantiu que o Brasil dará todo o apoio a ela e pode contratar advogados para ajudar na defesa.

"Ainda não tenho a informação. Temos que dar a atenção e apoio à nossa concidadã. Há uma brasileira, que está na Suíça. Foi isso que a gente fez e continuará a fazer dentro das normas internacionais", disse o ministro.

Em relação à crítica de que o governo brasileiro teria se precipitado em fazer declarações sobre o caso, Amorim afirmou que, desde o início, o Estado brasileiro cobrou uma investigação séria e manteve contato com a Embaixada da Suíça no Brasil, em Brasília.

Manifestamos o nosso desejo de que houvesse uma apuração, inclusive o meu gabinete teve contato constante com o gabinete da ministra de Relações Exteriores suíço. Eles nos garantiram que haveria apuração e é isto o que está ocorrendo, disse Celso Amorim.

Entenda o caso

Na semana passada, a brasileira disse à polícia que foi agredida por um grupo de três neonazistas, que teriam feito cortes em seu abdômen e provocado o aborto de dois bebês.


Corpo de brasileira foi marcado com sigla de partido de extrema direita / AE

Um legista do Instituto de Medicina Forense da Universidade de Zurique, entretanto, afirmou, depois de analisar exames feitos na brasileira, que ela não estava grávida no momento do suposto ataque e que ela mesma poderia ter feito os ferimentos em seu corpo.

Leia também:

Leia mais sobre brasileira na Suíça

* Com Agência Brasil e reportagem de Severino Motta, repórter em Brasília

    Leia tudo sobre: suíça

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG