CE envia ajuda humanitária à Geórgia e exige acesso livre e seguro

Bruxelas, 14 ago (EFE).- A Comissão Européia (CE, órgão executivo da União Européia) anunciou hoje o envio de ajuda humanitária à Geórgia, especialmente equipamentos médicos básicos, procedentes de onze países do bloco, e exigiu acesso livre e seguro para os trabalhadores e organizações humanitárias.

EFE |

A ajuda chega por causa do pedido de assistência à comunidade internacional feita pela própria Geórgia.

Por enquanto, e apesar do fim das hostilidades anunciadas tanto pela Geórgia quanto pela Rússia, o acesso para os voluntários não melhorou, disse um porta-voz da CE.

Além disso, disse que, segundo os dados oferecidos hoje pelo Escritório de Ajuda Humanitária (Echo) da CE sobre a situação de ontem, o número de potenciais atingidos pelo conflito já está em 150 mil, e o de deslocados internos está em torno de 90 mil.

Só com o material médico fornecido pela Áustria dentro desta ajuda, já será possível oferecer serviços básicos a 10 mil pessoas durante os próximos três meses, segundo a CE.

Desta operação, também participam República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Letônia, Lituânia, Polônia e Suécia.

Além disso, devido à situação no país, o Centro de Informação e Controle da UE (MIC, em inglês) está considerando a possibilidade de enviar uma equipe de avaliação e coordenação a Tbilisi, confirmou o Executivo do bloco europeu.

A UE ativou um mecanismo de proteção civil em 12 de agosto e já concedeu uma ajuda de 1 milhão de euros à Geórgia, e enviou especialistas para estudar a situação diretamente no terreno.

Após a obtenção dos dados dessa análise e as impressões das Nações Unidas sobre a gravidade da situação, a UE decidirá se envia mais pessoal ao país e se amplia a ajuda econômica para até 10 milhões de euros, decisão que ainda levará duas ou três semanas para ser tomada. EFE mrn/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG