Cavaco é reeleito presidente de Portugal no 1º turno

Conservador Aníbal Cavaco obteve 53,5% dos votos nas eleições deste domingo, contra 19% de Manuel Alegre, do Partido Socialista

EFE |

O presidente de Portugal, o conservador Aníbal Cavaco Silva, foi reeleito para um segundo mandato de cinco anos nas eleições realizadas neste domingo. Ele obteve 53,5% dos votos quando a apuração provisória estava quase concluída.

Seu principal rival, Manuel Alegre, candidato do Partido Socialista (PS), que governa Portugal, não alcançou seu objetivo de obrigar Cavaco a disputar com ele um segundo turno. Ele obteve 19% dos sufrágios e já reconheceu a derrota para o adversário.

As eleições presidenciais, realizadas no meio de uma grave crise econômica que vive Portugal e do temor de precisar pedir ajuda econômica externa, registraram uma alta abstenção, de quase 53%, contra 38,74% do pleito anterior, em 2006.

Durante a votação, problemas foram registrados no sistema eletrônico e na utilização da carteira digital do cidadão, necessária para votar, que, segundo porta-vozes da Comissão Nacional de Eleições (CNE) poderiam prejudicar o pleito. O governo, no entanto, assegurou que essas não foram as causas da elevada abstenção.

Tanto Cavaco como Alegre, além dos outros quatro candidatos, tinham pedido que a população comparecesse às urnas e desafiasse o clima frio que vive Portugal.

Os aspirantes com menores possibilidades de ganhar a eleição, segundo as pesquisas prévias, surpreenderam e somaram mais votos que o esperado: 26% no total - o médico Fernando Nobre obteve 13%.

Estes quatro candidatos, de esquerda, tiraram no final mais votos de Alegre que de Cavaco, apesar do reconhecido objetivo de forçar o chefe de Estado a ir para um segundo turno.

Francisco Lopes, respaldado pelo Partido Comunista, quinta força parlamentar, alcançou 7%, e o deputado José Coelho, do pequeno Partido da Nova Democracia, 4,3%.

Por último, o deputado socialista e ex-prefeito da cidade de Viana do Castelo, Defensor Moura, que se apresentava como independente e sem o apoio de seu partido, foi votado por 1,6% dos eleitores.

No partido de Cavaco, o Social Democrata (PSD), a jornada eleitoral foi de euforia enquanto no PS se notava o temor de que um segundo mandato do líder conservador tornasse ainda mais tensa a já difícil convivência com o primeiro-ministro socialista, José Sócrates.

O PS ganhou as eleições municipais e legislativas de 2009, mas perdeu a maioria absoluta conseguida em 2005 e só pôde aplicar as duras medidas econômicas necessárias para reduzir o déficit fiscal português graças à abstenção do PSD no Parlamento.

As campanhas eleitorais, nas quais Cavaco reprovou a má situação em que se encontra o país após seis anos de gestão socialista, agravou ainda mais o distanciamento com o Governo, que advertiu por sua vez que não permitirá que o chefe de Estado interfira nas tarefas do Executivo.

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, advertiu que se Portugal for obrigado a pedir ajuda financeira externa solicitará que sejam realizados novos pleitos, embora durante a campanha eleitoral Cavaco tenha assegurado que não tem "apetite" de usar suas atribuições para dissolver o Parlamento.

O chefe de Estado, de 71 anos, que também foi primeiro-ministro entre 1985 e 1995, poderá usar essa atribuição a partir do mês que vem, quando for empossado presidente para um segundo e último período de cinco anos.

    Leia tudo sobre: Aníbal Cavacoeleiçõesportugal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG