Causa contra casal Kirchner por enriquecimento ilícito é encerrada

BUENOS AIRES - A Justiça argentina fechou formalmente a causa por suposto enriquecimento ilícito contra a presidente do país, Cristina Fernández de Kirchner, e seu marido e antecessor, Néstor Kirchner.

EFE |

O processo foi fechado depois que a Câmara Federal de Buenos Aires não aceitou nesta terça-feira como querelante o advogado Enrique Piragini, que tinha apelado do sobrestamento da causa ditado no último dia 18 pelo juiz Norberto Oyarbide.

O promotor Eduardo Taiano e a Promotoria de Pesquisas Administrativas adotaram decisões contrárias nesta segunda-feira.

Ambos não apelaram da resolução de Oyarbide.

Piragini ampliou no início deste mês a denúncia contra os Kirchner apresentada em julho por legisladores da opositora Coalizão Cívica, depois que a imprensa local informou que o patrimônio do casal aumentou 158% no ano passado.

Oyarbide sobresteve a causa por suposto enriquecimento ilícito após receber os resultados de investigações feitas por especialistas do Supremo argentino.

Pouco depois das notícias sobre seu patrimônio, Cristina respondeu às acusações por suposto enriquecimento ilícito ao dizer que "poucas declarações juramentadas estão tão claras na Internet".

Segundo a declaração juramentada, a fortuna do casal cresceu até US$ 12,1 milhões em 2008.

Há poucos dias, o casal justificou em juízo seu aumento patrimonial com a venda de imóveis, rendas, salários e juros bancários, entre outras explicações presente um relatório assinado por seu contador, Víctor Manzanares.

A inação de Taiano foi repudiada pela União Cívica Radical (UCR), o principal partido da oposição, que assegurou que promoverá um julgamento político contra o promotor.

Após saber do sobrestamento definitivo da causa, o ex-presidente Kirchner assegurou que o aumento patrimonial de seu casal "está justificado".

"Apresentamos as declarações juramentadas sobre fatos reais e patrimônio concreto, que não têm a ver com bens ocultos", disse em declarações ao canal de notícias "C5N".

Leia mais sobre: Kirchner

    Leia tudo sobre: argentinakirchner

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG