Uma nota do Vaticano informou neste sábado que o papa Bento 16 e o líder da Igreja Anglicana, o arcebispo Rowan Williams, firmaram um acordo para estreitar os laços entre as duas religiões. A decisão foi resultado do primeiro encontro entre os dois líderes espirituais para amainar as tensões geradas pela criação, por Bento 16, de uma seção da Igreja Católica dedicada a atender anglicanos desiludidos.

O Vaticano afirmou que a medida foi uma reação aos pedidos de anglicanos insatisfeitos com a decisão de permitir a ordenação de mulheres para bispo.

O anglicano Williams, no entanto, afirmou que ela faria pouco para melhorar as relações entre as duas religiões.

Ainda segundo a proposta do papa, anglicanos poderiam se converter ao catolicismo mantendo suas práticas e tradições.

A nota da Santa Sé afirma que o encontro "cordial" de cerca de meia hora entre Bento 16 e Williams reiterou a "vontade conjunta" de aproximar as duas igrejas.

'Momento difícil'
Além disso, os líderes teriam discutido problemas recentes entre anglicanos e católicos.

A arcebispo anglicano já havia afirmado não acreditar que a medida do papa vá afetar as reações entre as duas instituições. No entanto, alguns acusaram Bento 16 de interferência em um momento difícil para a Igreja Anglicana.

Williams já tinha dado sinais de que quer construir um novo relacionamento com os católicos, enfatizando as semelhanças entre as duas religiões, em vez das diferenças, como a ordenação de mulheres.

Outro motivo de discórdia entre os anglicanos foi a eleição de um bispo assumidamente gay, além da aprovação de uniões homossexuais.

De acordo com a Constituição Apostólica, grupos de anglicanos seriam autorizados a ingressar na Igreja Católica ao mesmo tempo que manteriam elementos da tradição anglicana, entre eles o uso de livros de preces.

As primeiras conversões podem acontecer já no começo do ano que vem.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.