Caracas, 15 dez (EFE).- O presidente cubano, Raúl Castro, partiu hoje da Venezuela após uma visita oficial de dois dias na qual assinou acordos com seu colega venezuelano, Hugo Chávez, assim como projetos conjuntos de mais de US$ 2 bilhões.

Castro, de 77 anos, partiu com honras militares de Chávez no aeroporto internacional de Maiquetía, no limite de Caracas, de onde partiu às 9h20 horas locais (11h50 de Brasília), em um ato transmitido pela emissora estatal "Venezolana de Televisión" ("VTV").

O governante cubano chegou à Venezuela no sábado por volta do meio-dia para cumprir uma "histórica" visita oficial, a primeira que realizou desde que assumiu o poder de mãos de seu irmão Fidel, que lhe passou oficialmente o cargo por doença em fevereiro deste ano, após se afastar em julho de 2006.

No sábado, Castro e Chávez honraram a memória do herói venezuelano Simón Bolívar e encerraram a 9ª reunião da Comissão Mista de Alto Nível, no marco da qual foram assinados os acordos bilaterais.

A "ata final" da reunião de alto nível incluiu um "programa de colaboração geral" para 2009, que prevê a continuação "de 137 projetos em desenvolvimento e de outros 36 projetos novos".

Venezuela e Cuba executaram este ano 76 projetos no valor de US$ 1,355 bilhões, segundo dados da Comissão Mista.

Ambos os Governos assinaram sábado um memorando para a criação de uma "empresa mista para o sistema de refino de petróleo e gás natural liquidificado em Cuba, que contribua para a expansão das refinarias" cubanas de Cienfuegos e Irmãos Díaz.

O documento oficial precisou que o projeto inclui a ampliação da capacidade de refino de Cienfuegos dos atuais 60 mil barris diários para 150 mil, e da refinaria Irmãos Díaz de 22 mil para 50 mil barris diários.

Venezuela e Cuba também assinaram um memorando para a "criação da empresa socialista mista Guardián del Alba", com sede na Venezuela, para "regular a cooperação em matéria de fabricação de soluções tecnológicas integrais" nas áreas de telecomunicações e informática.

Há oito anos, em outubro de 2000, Caracas e Havana assinaram um Convênio Integral de Cooperação que abrange acordos de toda espécie, entre eles um energético que permite a Cuba pagar parte dos 100 mil barris diários de petróleo que lhe fornece Venezuela com serviços médicos, educativos e esportivos.

Por esse convênio, há na Venezuela cerca de "1.400 técnicos agrícolas e 6 mil treinadores esportivos", de acordo a dados oficiais venezuelanos.

Após sua visita à Venezuela, Raúl Castro vem ao Brasil, para participar da Cúpula da América Latina e o Caribe sobre integração e desenvolvimento, amanhã e quarta-feira na Costa do Sauípe (Bahia), a 113 quilômetros de Salvador. EFE gf/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.