LIMA/SANTIAGO (Reuters) - O Peru triplicou nesta quinta-feira os casos confirmados de gripe H1N1 e subiu para 16 o número total de confirmados, se transformando no segundo país da América do Sul com mais pessoas contaminadas. O Ministério da Saúde disse em comunicado que dos 11 novos casos, oito são de estudantes que retornaram recentemente de férias na República Dominicana.

"Todos eles (infectados) se encontram em controle médico, isolamento domiciliar, tratamento antiviral e evoluem favoravelmente", afirmou o ministério.

As autoridades sanitárias peruanas sugeriram a suspensão por uma semana das aulas dos alunos que estiveram de férias na República Dominicana. Estudantes de 13 colégios privados estiveram no país.

O Ministério da Saúde disse monitorar os familiares dos estudantes infectados. Dois dos novos casos foram de contágio na casa dos alunos que haviam viajado.

CHILE

Na América do Sul, o Chile tem o maior número de casos, com 25 infectados pela nova gripe. O país confirmou nesta quinta-feira um novo caso da doença. O governo pediu calma à população e garantiu que está preparado para enfrentar o surto.

Mais da metade dos infectados são crianças que estudam em colégios privados da zona oeste de Santiago, vários dos quais optaram por suspender as aulas para evitar um contágio maior.

O novo caso está vinculado a um colégio que já somava 15 casos da doença, informou o Ministério da Saúde em comunicado, sem dar maiores detalhes.

"A maioria dos pacientes tem quadros clínicos leves, similar aos casos de gripe comum e se encontram em boas condições recebendo tratamento em seus domicílios", disse o ministério.

O vírus já se expandiu a 41 países com 85 mortos e colocou o mundo à beira de uma pandemia, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

(Reportagem de Marco Aquino e Mónica Vargas)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.