Caso Jean Charles: justiça examina pedido de policiais de depor sob anonimato

O magistrado encarregado do processo sobre a morte de brasileiro Jean Charles de Menezes, morto por engano no metrô de Londres em 2005, começou a examinar nesta sexta-feira se aceita ou não o pedido encaminhado por 40 agentes da Scotland Yard, entre eles os dois que dispararam contra o brasileiro, de prestar depoimento sob anonimato.

AFP |

Os familiares de Jean Charles, que estiveram presentes no tribunal de Southwarck (sul de Londres), pediram novamente que os responsáveis pela morte respondam na justiça e lamentaram que, dois anos depois do caso, "ainda não se conheçam as circunstâncias" em que o brasileiro foi morto.

A indagação judicial sobre o caso Jean Charleso eletricista brasileiro de 27 anos - é similar à realizada para esclarecer a morte de princesa Diana, que foi encerrada há algumas semanas em Londres - não constitui um julgamento comum, já que não há condenados.

Em novembro, um informe da Comissão Independente de Queixas da Polícia (IPCC, na sigla em inglês) criticou a Polícia Metropolitana de Londres pela morte de Jean Charles, afirmando que ela "poderia ter sido evitada".

Contudo, ainda se espera a publicação de uma investigação sobre o chefe da Scotland Yard, Sir Ian Blair, que foi acusado de ter tentado impedir a investigação sobre a morte do brasileiro.

"A família está bastante frustrada" com a demora, declarou Yasmin Khan, porta-voz da campanha "Justiça para Jean Charles", e "quer que a investigação seja a mais extensa e transparente possível".

"Estaremos satisfeitos se for bastante ampla, examinando todos os temas", disse a advogada dos familiares, Harriet Wistrich.

O juiz Michael Wright admitiu, no entanto, que a investigação poderá ser adiada devido ao fato de que ainda não foi decidido em que corte transcorrerá o inquérito.

"Insisto que não é certo que comece nessa data (22 de setembro) porque ainda não foi escolhido um tribunal", afirmou o juiz, precisando que o tribunal de Southwark, sul de Londres, onde foi realizada a audiência preliminar, não é apropriado para os procedimentos.

ame/cn/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG