Caso de grampos de famosos leva à renúncia de assessor de premiê britânico

Justiça investiga se Andy Coulson sabia que tabloide do qual foi editor havia grampeado 3 mil celebridades e figuras políticas

BBC Brasil |

selo

O diretor de comunicações do premiê britânico, David Cameron, Andy Coulson, renunciou nesta sexta-feira por causa das investigações sobre um caso de grampos no tabloide News of the World. As investigações procuram esclarecer se Coulson, que na época era editor do diário, tinha conhecimento da prática.

O tabloide é acusado de ter grampeado até 3 mil telefones de celebridades e figuras públicas da política, do esporte, do entretenimento e da família real. Coulson pediu demissão do News of the World em 2007, negando ter conhecimento de atividades ilegais.

Reuters
Ex-editor do News of the World e diretor de comunicações do premiê britânico, David Cameron, Andy Coulson, é visto ao sair de sua casa a sudeste de Londres (08/09/2010)
Ele trabalhou com o atual primeiro-ministro britânico nos últimos três anos e meio, e vinha desempenhando um papel de grande visibilidade no atual governo, como chefe das comunicações de Cameron - que deu repetidos sinais de apoio ao seu assessor nas investigações.

Em uma nota pessoal distribuída pelo setor de imprensa do gabinete, Coulson disse que não conseguiu conciliar seu trabalho com as demandas colocadas pelas investigações. "Infelizmente, a contínua cobertura dos eventos relacionados ao meu antigo trabalho tem me impossibilitado dar 110% de mim mesmo, como o trabalho requer", afirmou.

"Sustento o que eu já disse em relação a esses eventos, mas quando o porta-voz precisa de um porta-voz, é hora de seguir adiante."

Grampos

As denúncia vieram à tona em 2009 através de reportagens do jornal Guardian. De acordo com o diário, os tabloides contrataram detetives particulares que grampearam - ilegalmente - os celulares das celebridades para conseguir acesso a dados pessoais confidenciais, como contas e extratos bancários.

Entre as vítimas, estariam a atriz Gwyneth Paltrow, a modelo Elle Macpherson, o cantor George Michael, o prefeito de Londres, Boris Johnson, e a apresentadora de programas culinários Nigella Lawson.

O jornal disse também que a polícia sabia dos grampos, mas na época não alertou as pessoas atingidas. A primeira suspeita de grampo surgiu em 2005, quando o News of the World publicou uma reportagem sobre uma lesão no joelho do Príncipe William e despertou a desconfiança da família real.

Em 2007, o editor de assuntos da realeza do News of the World, Clive Goodman, acabou preso por quatro meses depois de confessar ter interceptado ligações telefônicas. O detetive particular Glenn Mulcaire também passou seis meses na prisão pelas mesmas acusações.

No início deste mês, o tabloide suspendeu o editor Ian Edmondson por acusações de grampo do telefone celular da atriz Sienna Miller em 2005-6.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG