Caso de corrupção compromete ambição eleitoral de Berlusconi

Por Silvia Aloisi ROMA (Reuters) - Um escândalo de corrupção envolvendo o círculo mais próximo de Silvio Berlusconi está afetando as esperanças do primeiro-ministro italiano de uma vitória esmagadora nas eleições regionais do mês que vem.

Reuters |

Na semana passada, magistrados que investigavam lucrativos contratos públicos apertaram o cerco contra Guido Bertolaso, chefe do departamento de proteção civil e braço direito de Berlusconi para lidar com desastres naturais.

Na segunda-feira, eles interrogaram Denis Verdini, coordenador nacional do partido de Berlusconi, o Povo da Liberdade (PDL), que depois revelou que ele também estava sendo investigado.

Berlusconi, que também está sendo processado por corrupção e fraude de impostos em casos judiciais separados, inicialmente negou que a investigação tinha motivações políticas. Ele saiu em defesa de Bertolaso e rejeitou o pedido de demissão dele, dizendo que os magistrados que participavam da investigação deviam ter vergonha.

Mas dias depois do vazamento de grampos telefônicos que acusam Bertolaso de ajudar um empresário a vencer licitações em troca de dinheiro e do serviço de prostitutas, o escândalo tem custado cada vez mais caro para Berlusconi no período que antecede a eleição de 28 e 29 de março, considerada um teste nacional de sua popularidade.

Bertolaso nega as acusações e diz que recebeu massagens terapêuticas para problemas nas costas e não se envolveu em nenhuma atividade sexual em festas, que, segundo os magistrados, aconteceram num spa de Roma.

"A situação corre o risco de degenerar gravemente a ponto de influenciar a campanha eleitoral e os resultados do PDL", disse um documento interno do partido, segundo os jornais italianos desta terça-feira.

Mesmo em um país acostumado a escândalos políticos e de corrupção, as notícias de que Bertolaso --considerado por muitos um herói nacional por sua atuação após o terremoto de L'Aquila-- estava sendo investigado representaram um choque para muitos italianos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG