Casamento gay atrairá milhões de dólares à Califórnia

Los Angeles (EUA), 15 jun (EFE) - Milhares de casais de homossexuais poderão, a partir de amanhã, se casar na Califórnia, um gesto aprovado pela Justiça e que trará milhões de dólares para os cofres da combalida economia deste estado americano. Em 15 de maio, a Corte Suprema da Califórnia declarou inconstitucionais as leis que proibiam casamentos entre pessoas do mesmo sexo no estado, que se transformou no segundo dos Estados Unidos a permitir esses matrimônios, após Massachusetts. A sentença judicial deu razão à ação apresentada pela cidade de San Francisco e pelos coletivos de homossexuais que, desde 2004, lutavam nos tribunais pelo reconhecimento de seu direito a se casar. Um capítulo que terminará, pelo menos por enquanto, no último minuto de segunda-feira e de forma em massa a partir de terça-feira de manhã, quando espera-se que vários casais de homossexuais vão aos cartórios para mudar seu status de solteiro a casado. Além de suas conotações legais, os enlaces gays terão grandes conseqüências econômicas para um estado afetado pela dívida e onde seus cidadãos se mostram divididos frente a esta mudança social. Segundo um estudo do Instituto Williams da Escola de Direito da Universidade da Califórnia de Los Angeles (UCLA), os casamentos entre pessoas do mesmo sexo gerarão um volume de negócio de mais de US$ 680 milhões nos próximos três anos neste estado. Entre os principais beneficiados da medida estará a Administração Pública, que receberá até...

EFE |

Os números acabaram por atenuar a recusa do governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, que vetou em várias ocasiões propostas legislativas favoráveis aos matrimônios entre homossexuais.

Calcula-se que 70 mil pares de homossexuais irão a este estado nos próximos três anos para se casar, um número ao qual se somarão 50 mil casais gays que moram na Califórnia.

O relatório do Instituto Williams estimou que se fossem autorizados os casamentos entre pessoas do mesmo sexo em todo o território americano, a caixa do Governo Federal obteria US$ 1 bilhão extras anuais.

No entanto, a medida do Supremo Tribunal colocou em pé de guerra os cidadãos e grupos conservadores de caráter religioso, que começaram a coletar assinaturas para apoiar uma iniciativa que pretende modificar a Constituição da Califórnia e declarar inconstitucional o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Se obtiver o respaldo social suficiente, a proposta seria submetida à votação em 4 de novembro, coincidindo com as eleições presidenciais nos Estados Unidos.

As últimas pesquisas, no entanto, mostraram uma mudança na opinião pública californiana que, pela primeira vez em três décadas, se posicionou a favor das uniões entre homossexuais, mas não de forma unânime.

A pesquisa publicada no final de maio pelo instituto Field Poll indicou que 51% dos eleitores aprovam esses casamentos, contra 42% que se opõem.

Em meio a este debate, rostos famosos do mundo do cinema e da televisão nos EUA tornaram pública sua intenção de se casar com seus parceiros, como a apresentadora Ellen Degeneres ou o ator George Takei da série "Jornada nas Estrelas". EFE fmx/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG