Um casal de milionários de origem indiana foi condenado à prisão, nesta sexta-feira, por um tribunal de Long Island, perto de Nova York, por escravizar e torturar suas duas empregadas indonésias.

Mahender Sabhnani, de 51 anos, nascido na Índia, foi condenado a 3 anos e quatro meses de prisão, anunciou o juiz Arthur Spatt em uma corte de Central Islip, após a condenação, na véspera, de sua mulher, Varsha Sabhnani, a 11 anos de cadeia.

"É terrível que crimes desse tipo possam acontecer em nossas comunidades no século XXI", disse o procurador Benton Cambell, após o anúncio da sentença.

Os Sabhnani, proprietários de uma empresa de venda de perfumes em Long Island, torturaram as duas mulheres, agredindo-as com pedaços de pau, queimando-as com água quente e obrigando-as a subir e descer escadas, ou a comer pimenta pura.

O casal, que usava essas técnicas como castigo para fazê-las trabalhar, negava-se a pagá-las diretamente, limitando-se a enviar 100 dólares a seus familiares na Indonésia.

A dona-de-casa recebeu uma pena muito superior à do marido, porque os procuradores insistiram em que era ela que abusava diretamente das serviçais.

As empregadas, que não falam inglês, ficavam trancadas em um sótão, ou na garagem da casa, quando os Sabhani recebiam convidados.

Ambas chegaram aos EUA, em 2002, com um passaporte legal, que foi tomado pelos patrões. Desde então, o visto já expirou.

Em maio de 2007, a polícia prendeu os Sabhnani, após encontrar uma das mulheres na rua, vestida apenas com uma calça e uma toalha.

ltl/tt/LR

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.