Casal americano pode admitir que roubou identidades para financiar vida de luxo

FILADÉLFIA - Um jovem casal pode admitir à corte que roubou identidades para financiar um estilo de vida luxuoso.

AP |

O advogado de Jocelyn Kirsch, 22, afirmou nesta segunda-feira que ela e seu agora ex-namorado assinaram acordos federais que possivelmente irá sentenciá-los à prisão por muitos anos pelo roubo de identidades e outros crimes.

Desde sua prisão, amigos e colegas de classe de Kirsch na Universidade de Drexela a retrataram como uma mentirosa compulsiva que chegou a inventar uma identidade quando conheceu o Príncipe Charles em um fórum estudantil na Filadélfia. Em um de seus mitos favoritos, ela lhe disse que era da Lituânia.

Quando Kirsch e Edward K. Anderton, 25, foram presos em dezembro, foram encontradas fotos em um laptop em seu apartamento de US$ 3,000 por mês que mostravam o casal se beijando sob a Torre Eiffel, cavalgando numa praia e de biquíni numa piscina de um hotel cinco estrelas.

Eles roubaram cartões de crédito e contas bancárias de amigos, colegas de trabalho e vizinhos para financiar compras caras e viagens, disseram os promotores. Eles foram presos quando tentaram retirar um pacote na loja da UPS local que estava em nome de um vizinho. O pacote continha lingerie de uma loja britânica.

"Eles foram tão arrogantes", disse o detetive de polícia da Filadélfia Terry Sweeney, investigador do caso, nesta segunda-feira. "Quando você começa a roubar identidades do lado da sua casa, com certeza isso voltará para te assustar".

Anderton, que se formou na Universidade da Pensilvânia em 2005 como economista, também criou uma conta no eBay com diversas identidades roubadas para comprar e vender itens não existentes, disseram as autoridades. O golpe gerou US$33.000, disse o promotor Patrick Meehan.

As acusações contra o casal foram arquivadas na segunda-feira por causa da colaboração dos acusados.

O advogado de Kirsch, Ronald Greenblatt, afirmou que sua cliente assinou um acordo de admissão da culpa de roubo de identidade, lavagem de dinheiro, fraude bancária, entre outras. A sentença pode chegar a cinco anos.

Anderton também assinou o acordo, disse Greenblatt. Seu advogado, não quis comentar o assunto.

Kirsch vive com sua mãe em Novato, Califórnia, enquanto Anderton, que tinha um emprego de US$60,000 ao ano em uma financeira, voltou a viver com sua família em Everett, Washington.

"Ela deveria estar se formando agora e ao invés disso irá à corte federal em poucas semanas para admitir sua culpa", disse Greenblatt.

    Leia tudo sobre: estados unidos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG