Casa Branca ordena que agências aumentem nível de segurança

Ordem, dada por administração Obama após vazamento do Wikileaks, pede que empregados tenham acesso restrito a documentos

iG São Paulo |

A Casa Branca ordenou que agências governamentais aumentem o nível de segurança de documentos sigilosos depois do vazamento de 250 mil documentos sobre diplomacia e esopinagem pelo site Wikileaks.

Ao alegar que a divulgação de tais documentos coloca os EUA em risco, agências do governo foram ordenadas a aprimorar seus procedimentos para lidar com informações privilegiadas, assegurando que empregados tenham acesso apenas a documentos que realmente precisem ou que dizem respeito ao seu trabalho.

“A recente e irresponsável revelação pelo Wikileaks resultou em um dano significante para nossa segurança nacional”, disse o diretor do Escritório de Administração e Orçamento americano, Jacob Lew. “Qualquer falha por agencias para salvaguardar tais informações é inaceitável e não será tolerada”, acrescentou.

O Pentágono anunciou também que está tomando as medidas necessárias para tornar seu sistema de computadores mais seguro para prevenir futuros vazamentos.

Investigação

Também nesta segunda-feira, o procurador-geral dos Estados Unidos, Eric Holder, informou o Departamento de Justiça abriu uma investigação criminal sobre o vazamento em massa de documentos diplomáticos pelo site WikiLeaks.

Holder destacou que o governo condena o vazamento de aproximadamente 250 mil correspondências de embaixadas e missões diplomáticas americanas, que "põe em perigo não só indivíduos e diplomatas, mas também a relação que temos com nossos aliados no mundo todo". Para ele, a publicação dos documentos representa "um risco para a segurança nacional" dos EUA.

A investigação criminal é realizada junto ao Departamento de Defesa para determinar as responsabilidades do vazamento dos documentos.

Segundo indicam os cerca de 250 mil documentos secretos vazados pelo site Wikileaks, os EUA ordenaram a seus diplomatas que atuassem mais ativamente no recolhimento de informações e realizassem tarefas de espionagem

Risco

A Casa Branca condenou "nos termos mais fortes a publicação irresponsável e perigosa" dos documentos, afirmando que a iniciativa do Wikileaks poderá fazer com que muitas pessoas corram riscos. "Que isto fique claro: tais revelações fazem nossos diplomatas correr riscos", afirmou o porta-voz do presidente Barack Obama, Robert Gibbs.

Os documentos secretos expostos pelo Wikileaks - e publicados pelo americano New York Times, pelo britânico The Guardian e outros jornais - revelam que os funcionários do Departamento de Estado tinham ordem de obter informações pessoais de membros da ONU e de figuras-chaves de países em todo o mundo.

Os textos se referem a tarefas tradicionalmente reservadas à Agência Central de Inteligência (CIA) e outras agências de espionagem, que foram transmitidos a embaixadas americanas na África, Oriente Médio, Europa Oriental, América Latina e a missão de Washington perante a ONU.

*Com EFE, BBC e AFP

    Leia tudo sobre: documentos diplomáticosWikileaksEUAJulian Assange

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG