Casa Branca intensifica resposta a acidente no Golfo do México

Macarena Vidal. Washington, 30 abr (EFE).

EFE |

Macarena Vidal. Washington, 30 abr (EFE).- O Governo dos Estados Unidos, que suspendeu hoje seus planos de novas explorações de petróleo em águas profundas por causa do acidente no Golfo do México, procura evitar a todo custo que o acidente possa se transformar em um "novo Katrina". Em um comparecimento no jardim da Casa Branca, prevista inicialmente para falar sobre o crescimento econômico, Obama afirmou hoje que seu Governo está "completamente preparado" para assumir suas responsabilidades sobre a mancha de petróleo originada pela explosão e posterior afundamento da plataforma Deep Horizon, no Golfo do México. Segundo o presidente americano, embora a concessionária da plataforma, a British Petroleum (BP), seja responsável pela última das tarefas de limpeza e contenção, o Governo americano "não poupará esforços" para atenuar os efeitos do desastre e proteger as costas do Golfo do México, em colaboração com as autoridades locais e regionais. Além disso, solicitou a elaboração de um relatório a seu secretário do Interior, Ken Salazar, em um prazo de 30 dias, sobre medidas de segurança adicionais e novas tecnologias que devem ser adotadas para garantir que não haverá mais acidentes deste tipo no futuro. Qualquer nova licença concedida terá que contar com as medidas, ressaltou o presidente americano. Nos últimos dias, o Governo redobrou seus esforços para fazer frente ao desastre e convencer os estados que têm saída para o Golfo do México, especialmente o de Louisiana, de que a situação está sob controle. O objetivo é evitar que se repitam as críticas dirigidas contra a resposta do Governo do presidente George W. Bush à inundação de Nova Orleans depois da passagem do furacão "Katrina", em agosto de 2005. Obama já enviou Salazar e sua secretária de Segurança Nacional, Janet Napolitano, à região. Em suas declarações, indicou que espera receber um relatório de ambos hoje mesmo. O presidente também indicou que as plataformas já operantes na área serão submetidas a uma nova inspeção. Seu assessor político, David Axelrod, defendeu hoje a resposta do Governo ao assegurar que, após o afundamento da plataforma, no último dia 20, o Serviço de Guarda Costeira esteve no lugar "quase imediatamente" e descartou comparações com a resposta ao "Katrina". Este tipo de argumentos "ocorre sempre que algo assim acontece", disse. Axelrod anunciou a suspensão de novas explorações petrolíferas no país, à espera de que sejam esclarecidas as causas da explosão da Deepwater Horizon. O presidente americano tinha levantado no dia 31 de março a proibição que impedia a realização de novas perfurações em busca de gás e petróleo, com o argumento de que é imprescindível para a segurança energética do país. A proposta faz parte do projeto de lei sobre energia promovido pela maioria democrata, com o apoio da Casa Branca, uma das próximas prioridades legislativas de Obama. Obama declarou hoje que aumentar a produção nacional de petróleo continua fazendo parte de seus planos para a reforma do setor energético, mas ressaltou que deve ser feito de modo "responsável". "Continuo achando que a produção nacional de petróleo é uma parte importante de nossa estratégia geral para a segurança energética", declarou Obama. "Mas sempre disse que tem que ser feita de modo responsável, pelo bem de nossos funcionários e de nosso meio ambiente". Em uma reação à suspensão, a organização ambientalista Sierra Club expressou sua satisfação pela iniciativa, mas ressaltou que "esta tragédia deveria ser uma chamada à reflexão. Chegou o momento de renunciar à perfuração em águas profundas para sempre". O acidente no Golfo do México aconteceu no último dia 20 após a explosão e incêndio da plataforma, que, depois de afundar, causou um vazamento de milhares de barris de petróleo. A mancha de petróleo chegou hoje à costa do estado americano de Louisiana, onde a maré negra pode afetar até 400 espécies animais e vegetais nas delicadas restingas litorâneas, advertiram as autoridades. EFE mv/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG