Casa Branca condena libertação de grupo de detidos de Guantánamo

Washington, 7 out (EFE).- A Casa Branca manifestou hoje sua profunda preocupação e desacordo com a decisão de um tribunal de pôr em liberdade em território americano um grupo de detidos de Guantánamo.

EFE |

Em um comunicado, a porta-voz da Casa Branca Dana Perino afirmou que a decisão do juiz Ricardo Urbina "é contrária" às leis americanas e "os regulamentos federais de imigração aprovados pelo Congresso".

O Departamento de Justiça vai recorrer imediatamente da ordem e ainda hoje pedirá a suspensão urgente da sentença, disse Perino.

Caso a decisão do juiz seja cumprida, disse a porta-voz, isso abriria um "precedente para outros detidos em Guantánamo, até mesmo para inimigos jurados dos Estados Unidos, suspeitos de planejar os ataques de 11 de setembro de 2001, que poderiam tentar ser soltos" no país.

O Governo dos EUA, acrescentou Perino, continuará atrás de um país que aceite acolher os 17 presos beneficiados pela decisão judixial, todos chineses muçulmanos da etnia uigur.

O juiz que emitiu a ordem de soltura concluiu que não há provas de que os detentos são "combatentes inimigos" ou representam um risco para a segurança dos EUA. EFE mv/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG