Casa Branca anuncia na quinta-feira revisão de política de segurança

WASHINGTON - A Casa Branca divulgará na quinta-feira (7) os resultados da revisão das listas de suspeitos de terrorismo e a política de segurança aérea solicitada pelo presidente Barack Obama, após o atentado fracassado em uma companhia aérea americana.

iG São Paulo |

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, antecipou nesta quarta-feira que o relatório preliminar que será apresentado será "muito amplo" e abordará os erros humanos e no sistema que permitiram a um nigeriano entrar em um avião americano com explosivos.

"A revisão identificará e fará recomendações sobre o que faltou e o que é necessário para fortalecer o sistema", disse Gibbs.

Obama, seu assessor em temas contraterrorismo, John Brennan, e a secretária de Segurança Nacional, Janet Napolitano, devem comentar na quinta-feira os resultados da revisão da política de segurança.

Segundo o porta-voz presidencial, Obama deve anunciar também as medidas adicionais para melhorar a inspeção de passageiros aéreos, assim como a troca de informação de inteligência entre as distintas agências do país.

Obama afirmou na terça-feira (5), depois de se reunir com membros de seu gabinete e de sua equipe de segurança nacional, que o incidente registrado no dia do Natal em um avião da companhia aérea Northwest  revelou erros "inaceitáveis" de inteligência e anunciou reformas "imediatas".

AFP
Obama faz pronunciamento

Obama faz pronunciamento



O presidente apontou que os sistemas de segurança do país falharam de forma "potencialmente desastrosa" ao permitir que o jovem nigeriano de 23 anos, Umar Farouk Abdulmutallab , entrasse no voo de Amsterdã para Detroit com material explosivo escondido na cueca.

O presidente americano insistiu com o fato de a comunidade de inteligência dispor de informação suficiente para detectar e "potencialmente" desarticular o atentado frustrado e criticou os responsáveis de segurança por fracassarem na hora de relacionar todos os dados.

"Está cada vez mais claro que a informação de inteligência não foi devidamente analisada. Isso não é aceitável e não o tolerarei", disse Obama em pronunciamento na terça-feira.

Obama ordenou, após o incidente, duas revisões paralelas.

A primeira, a cargo de Napolitano, avalia os sistemas de detecção nos aeroportos e as mudanças necessárias para uma maior efetividade.

A segunda, sob o comando de Breenan, trata de determinar como podem funcionar melhor as listas de vigilância terrorista.

Na segunda-feira, a Casa Branca anunciou que ampliou a lista de suspeitos de terrorismo que são proibidos de voar.

Abdulmutallab estava na lista de vigilância "genérica" de terroristas, mas não na categoria mais seletiva, que o impediria de voar.

Leia também:

Leia mais sobre Iêmen

*Com informações da EFE

    Leia tudo sobre: al-qaedaobamasegurançaterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG