Cartunista Glauco é morto a tiros em Osasco

São Paulo, 12 mar (EFE).- O cartunista Glauco Villas Boas, de 53 anos, e seu filho Raoni, de 25, foram assassinados a tiros ao tentar evitar um assalto em sua residência em Osasco, na Grande São Paulo, informou hoje o advogado da família, Ricardo Handro.

EFE |

Glauco e seu filho foram baleados por dois desconhecidos que nesta madrugada invadiram a casa da família, localizada em um morro nos arredores de Osasco, explicou o advogado à imprensa local.

O cartunista Glauco publicava charges políticas desde 1984 no jornal "Folha de S. Paulo".

Segundo Handro, para evitar agressões à família, Glauco negociou com os assaltantes e aceitou sair com eles para retirar dinheiro do banco para que eles saíssem da casa e deixassem sua esposa e filhos livres.

No momento em que Glauco e os assaltantes saíam da residência, chegou Raoni, outro dos filhos. Ao perceber o assalto, o filho discutiu com os bandidos para impedir o roubo.

Os dois assaltantes atiraram contra Raoni e Glauco, que tentou defender o filho. Os criminosos fugiram em um veículo que tinha sido roubado horas antes.

O advogado acrescentou que Glauco morreu no local e Raoni não sobreviveu quando estava a caminho do hospital.

O cartunista, nascido em Jandaia do Sul, no Paraná, iniciou sua carreira nos anos 70 no "Diário da Manhã", de Ribeirão Preto (São Paulo). Quando trabalhava para o jornal paulista, Glauco ganhou em 1976 o prêmio do Salão do Humor de Piracicaba, o principal fórum de desenho humorístico do país.

Em 1984, Glauco começou a publicar suas charges na "Folha de S.

Paulo", onde criou os personagens Geraldão, Cacique Jaraguá, Nojinsk, Dona Marta, Zé do Apocalipse, Doy Jorge, Ficadinha, Netão e Edmar Bregman, entre outros.

Seu livro "Política Zero", com 64 caricaturas de crítica política ao Governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi publicado em 2006. EFE wgm/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG